Para gargalhar sem esquecer a reflexão

“Quem Ri por Último, Ri Melhor” traz globais discutindo sexualidade e aparências em trama cômica adaptada dos EUA

iG Minas Gerais | gustavo rocha |

Danielle Winits e Júlio Rocha convivem com dilemas da carreira profissional
LÉO AVERSA DIVULGAÇÃO
Danielle Winits e Júlio Rocha convivem com dilemas da carreira profissional

Aos poucos, assuntos antes considerados “tabus” são abordados no dia a dia do brasileiro. Discutir ou mostrar as relações homossexuais tem sido cada vez mais frequente em tramas na televisão, por exemplo. Com alcance menor que a TV, mas com o forte poder do “aqui e agora” intrínseco ao teatro, a peça “Quem Ri por Último, Ri Melhor” chega a Belo Horizonte.

Dirigida por Cininha de Paula, a trama traz Dione, famosa agente de atores, que procura manter em evidência seu pupilo, o astro de cinema Mateus, mas precisa ainda proteger a imagem do galã, escondendo sua sexualidade. O problema se agrava quando Mateus conhece um garoto de programa e os dois se apaixonam. A peça é uma versão do sucesso de Douglas Carter Beane (“The Little Dog Laughed”), assinada por Artur Xexéo.

“Eu escolhi interpretar esse personagem porque ele é sensível, vive uma paixão, tem ambição e sonhos profissionais”, destaca o ator Júlio Rocha, que vive Mateus, na trama.

Ele acredita no poder que o teatro tem de “falar por si” e discutir assuntos polêmicos. “As nossas opiniões como artista estão no nosso trabalho. Ainda é um pouco complicado tratar disso, mas as pessoas estão ficando cada vez mais atentas. E mais solidárias para entender que o amor independe (de gênero)”, ressalta.

“A gente tem que aceitar os limites do outro. Não é porque a pessoa é pública que ela tem que dividir tudo com o grande público. Essa cobrança para que as pessoas saiam do armário é uma exigência sem sentido. Você tem que ser um bom cidadão e não precisa assumir com quem dorme, independente de ser homem ou mulher”, comenta Danielle Winits, que vive Dione na trama.

Após a sessão de amanhã, haverá um bate-papo com o elenco do espetáculo.

Serviço. “Quem Ri por Último, Ri Melhor”. Hoje e amanhã, às 21h, e domingo, às 19h, no Teatro Sesiminas (rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia). Ingressos: R$ 70 e R$ 35 (meia-entrada)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave