Dinheiro rápido e fácil se torna uma grande armadilha

O camisa 1 sabe que a carreira de jogador de futebol passa rápido. Por isso, o atleta do Cruzeiro investe parte do que ganha em outras áreas

iG Minas Gerais | Bruno Trindade e Guilherme Guimarães |

Titular da meta cruzeirense desde 2005, o goleiro Fábio agarra com unhas e dentes as oportunidades e não perde a chance de defender o pão de cada dia investindo em negócios rentáveis, sempre pensando no futuro de sua família.

Em Belo Horizonte o goleiro já montou uma academia de ginástica na região Norte da cidade e pensa em expandir o negócio para o interior de Minas Gerais. No Centro-Oeste do país, cria cabeças de gado e é dono de diversos terrenos.

“Mexo com imóveis, com gado, com fazenda. A gente tem que diversificar um pouco. Eu tenho outros sonhos também e outros projetos, e espero que, no momento certo, consiga realizá-los”, disse Fábio.

O camisa 1 sabe que a carreira de jogador de futebol passa rápido. Por isso, o atleta do Cruzeiro investe parte do que ganha em outras áreas.

“Infelizmente, muitos jogadores vivem uma ilusão. Quando você está jogando, tudo é muito fácil. Mas a carreira é curta. Se não tiver equilíbrio, passa dificuldade na aposentadoria e vende tudo o que conquistou”, relata.

O dinheiro fácil no início da carreira é, para Fábio, um perigo, se não for bem investido.

“Alguns jogadores não têm essa visão de fazer um planejamento para toda a vida e só pensam no momento em que estão jogando. Nessa etapa entra muito dinheiro de forma rápida. Isso pega os atletas mais jovens de surpresa, eles extrapolam e, infelizmente, esse tempo não volta mais”. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave