Ministro e diretor da Petrobras se reuniram em Brasília

Pauta do encontro seria o rumo da denúncia de “cola” em CPI

iG Minas Gerais |

Extraoficial. Encontro não estava na agenda oficial de Berzoini, mas foi confirmado pela assessoria
Luis_Macedo/ag. Câmara - 27.3.2014
Extraoficial. Encontro não estava na agenda oficial de Berzoini, mas foi confirmado pela assessoria

Brasília. O ministro da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), Ricardo Berzoini, recebeu, na última segunda-feira, no fim da tarde, em sua sala no Palácio do Planalto, o diretor corporativo da Petrobras, José Eduardo Dutra. Na pauta do encontro, esteve o rumo da polêmica em torno das revelações de que a petroleira, senadores do PT e membros do governo discutiram e combinaram as perguntas que seriam feitas nos depoimentos de dirigentes da estatal na CPI no Senado.  

O encontro entre os dois não está registrado na agenda do ministro. A assessoria de Berzoini confirmou a reunião, mas informou que não sabia o que foi discutido.

Dutra, porém, admitiu que os dois falaram sobre a CPI. “Eu ia a Brasília e passei no gabinete dele para conversarmos”, afirmou Dutra, completando: “É claro que falamos sobre a CPI da Petrobras, até porque o Congresso teria sessões nesta semana, e sabíamos que o tema seria abordado pelos parlamentares”, admitiu, sem revelar, contudo, o teor da conversa com o ministro.

Crítica. O secretário executivo da SRI, Luiz Azevedo, também participou de reuniões com membros da Petrobras e do Senado para ajustar o que seria perguntado na CPI.

Azevedo divulgou nota afirmando que, como funcionário da secretaria, tem duas atribuições referentes à CPI do Senado: “Relação com a estatal – para que a mesma atenda de forma organizada as demandas da comissão com transparência e eficiência – e com os parlamentares da base e da liderança do governo no Congresso”.

Segundo Azevedo, por se tratar de investigação envolvendo estatal, “o governo não deve se omitir de participar dos debates com parlamentares, inclusive para formação do roteiro e da estratégia dos trabalhos”.

“Bobagens”. Pelo segundo dia consecutivo, o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), fez discurso classificando de “bobagens” as denúncias que apontam envolvimento de assessores do Planalto na “preparação” dos ex-diretores da Petrobras para os depoimentos.

Ele citou reportagens da época do governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), sobre a atuação de assessores do Planalto, e acrescentou que o governo de São Paulo e o PSDB “devem ter agido para preparar os senadores para a instalação da CPI do Metrô”, que atingiria o governo tucano de Geraldo Alckmin.

Ex-dirigente nega ter passado senha à empresa Brasília. O ex-diretor da área internacional da Petrobras Jorge Zelada negou ter repassado senhas internas da estatal para executivos da empresa holandesa SBM Offshore, fornecedora da Petrobras que está sob suspeita de pagar propina. No final de julho, uma investigação interna da Petrobras identificou que a senha pessoal do ex-diretor dá acesso a dois documentos sigilosos que foram repassados a executivos da empresa holandesa. Não se sabe se foram entregues apenas os documentos ou a senha para acessá-los. Zelada também afirmou não ter sido o responsável pela elaboração do resumo executivo que embasou a compra da refinaria de Pasadena (EUA) em 2006, mas disse que ficou sabendo das negociações na época.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave