Pinduca e José Elias são impugnados pelo TRE-MG

Políticos foram enquadrados na Lei da Ficha Limpa; candidatos recorreram da sentença no TRE-MG

iG Minas Gerais | Lisley Alvarenga |

Mais uma vez, Pinduca é barrado na Justiça por ser ficha-suja
JOÃO LÊUS/ARQUIVO
Mais uma vez, Pinduca é barrado na Justiça por ser ficha-suja

O Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) impugnou, nesta semana, os registros de candidatura de dois veteranos na política de Betim: o deputado estadual Pedro Ivo Caminhas, o Pinduca (PP), e o ex-vereador José do Nascimento Elias (PDT).

No caso de Pinduca, segundo a assessoria de imprensa do TRE-MG, o relator do processo, Virgílio Barreto, considerou, para indeferir sua candidatura, o fato de ele já ter sido condenado pelo TRE, em 2008, por abuso de poder econômico. A decisão foi confirmada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2010. Contudo, em 2011, o ministro Dias Toffoli, através de uma decisão provisória, devolveu a Pinduca os seus direitos políticos.

Já nas eleições de 2012, em que ele tentou ser candidato a vice na chapa de Carlaile Pedrosa (PSDB) à Prefeitura de Betim, o juiz Carlos Márcio Souza Machado, então diretor do Foro Eleitoral de Betim, acatou o pedido do Ministério Público local de considerar inelegível o deputado. Por causa disso, ele foi substituído por Waldir Teixeira (PV).

Após saber que sua candidatura havia sido indeferida novamente, nestas eleições, Pinduca entrou com um recurso da decisão no TRE-MG. O pedido foi julgado na quinta-feira (7) por um colegiado formado por dois desembargadores e cinco juizes, que confirmaram a sua impugnação.

Agora, para tentar garantir sua candidatura, ele enfrentará uma nova sabatina e terá que recorrer da decisão no TSE.

A reportagem tentou falar com Pinduca e com o advogado dele, Francisco Galvão, porém, eles não atenderam às ligações.

Já José Elias também teve seu registro de candidatura indeferido pelo juiz Wladimir Rodrigues Dias com base na Lei da Ficha Limpa, só que por um motivo diferente. Ele também recorreu da decisão no TRE-MG.

Segundo a assessoria do TRE-MG, como ele foi condenado por tentativa de homicídio duplamente qualificado, ele precisa aguardar oito anos após o fim de sua pena, concluída no dia 3 de fevereiro de 2010, para se candidatar novamente.

Elias foi condenado por envolvimento no atentado sofrido pelo ex-prefeito Jésus Lima, em 1997. Na época, o pistoleiro do crime o acusou de ser o mandante, ato que ele sempre negou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave