Andrés Sanchez se defende de críticas: 'Não tem nada afundando'

Ex-presidente do Corinthians terá de responder por crime fiscal cometido durante o período em que esteve à frente do Timão

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Divulgação
undefined

Ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez voltou aos holofotes nesta semana. Na terça, anunciou que deixará o cargo de administrador do Itaquerão no próximo dia 18. Seguirá sendo apenas conselheiro vitalício e membro do CORI, o Conselho de Orientação do clube. Nesta quinta foi revelado que ele terá de responder por crime fiscal cometido durante o período em que esteve à frente do Corinthians.

Andrés, que é candidato a deputado federal pelo PT de São Paulo, usou sua conta no Twitter para se defender. "O Corinthians já fez acordo e há oito meses paga o (imposto) atrasado e o atual sem problema. Os corintianos podem ficar tranquilos. O Corinthians está com tudo resolvido, está pagando todos os impostos atrasados há décadas. Mas, infelizmente tudo do Corinthians aumenta, e o pior (é que aumenta) para o mal, tanto que o Congresso (Federal) está discutindo isso. O Corinthians já fez acordo com a Receita (Federal) mesmo antes de aprovar a Lei de Responsabilidade Fiscal", postou o dirigente, em texto cheio de erros de grafia.

A denúncia do Ministério Público Federal, que também inclui a ação ilegal de outros três dirigentes do clube, foi aceita pela Justiça federal no dia 11 de julho. No total, o valor do débito, atualizado, é de R$ 94,25 milhões.

De acordo com o Corinthians, o pagamento das parcelas ocorre desde dezembro, antes da denúncia do MPF. Luiz Alberto Bussab, diretor jurídico do clube, explicou que, à época, não havia possibilidade do pagamento. O fato estava ligado à situação financeira que o Corinthians atravessava. "Não houve crime. Assim que o Corinthians teve chance, começou a pagar. Os impostos, hoje, são recolhidos."

ESTÁDIO - Sanchez deixou o cargo de administrado do Itaquerão alegando que estava incomodado com as críticas de se comportaria como "dono" do estádio, por ter sido o presidente do clube responsável por sua construção.

"Jamais deixarei o Corinthians ou a Arena (o Itaquerão) ou qualquer coisa referente ao meu time de coração na mão. O presidente (Mario) Gobbi eu montamos já uma equipe que sabe e está planejado o que tem que fazer para atingir os objetivos traçados há anos. Na Arena, podem ficar tranquilos os corintianos, quem torce contra vai perder o sono. Tudo está controlado", garantiu.

Sanchez vem recebendo críticas da torcida por causa do altos preços cobrados pelos ingressos do novo estádio. O valor tem afastado parte dos fãs e as arquibancadas não vêm lotando nos jogos do Brasileirão, como era esperado pela diretoria.