Valdivia acusa árabes de desistirem de sua contratação

Jogador esclareceu que chegou a fazer exames médicos e viajou de férias, e quando voltou ao país descobriu que tudo "tinha sido cancelado"

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Valdivia quer dar sua parcela de contribuição na campanha palmeirense na Série B
REPRODUÇÃO/PÁGINA OFICIAL/FACEBOOK
Valdivia quer dar sua parcela de contribuição na campanha palmeirense na Série B

Depois de retornar ao Palmeiras após a frustrada negociação com o Al Fujairah e treinar na manhã desta quinta-feira na Academia de Futebol, Valdivia concedeu entrevista coletiva no início da tarde para explicar a sua situação. O meia chileno iniciou a conversa com os jornalistas prometendo "esclarecer tudo", nem que para isso tivesse de ficar no local "até amanhã", e acusou o clube árabe de ter desistido da sua contratação.

O jogador garantiu que foi pego de surpresa com a decisão do Al Fujairah e explicou como foi o passo a passo da negociação, que inicialmente foi dada como certa e depois acabou cancelada pelo clube árabe. Mais do que isso, assegurou que segue "motivado" para seguir defendendo o Palmeiras, apesar da frustração amargada após ter se despedido do clube e da torcida anteriormente.

"Eu viajei numa quarta de madrugada. Cheguei lá, fui recebido por torcedores e pelo gerente do clube. Fui recebido pela imprensa. Fui levado até a cidade da equipe, fui recebido na sala do xeque, ganhei a camisa 10 do time. O xeque subiu a foto que tirei com ele no Facebook. Fiquei lá, fiz exame médico, a gente esperou o dia da assinatura do contrato. Enquanto a gente esperava a assinatura do contrato, fiz exame médico. Foi aceitado o meu pedido de pelo menos 10 dias de férias", disse Valdivia, no início de sua explicação sobre o assunto.

Em seguida, o meio-campista explicou que havia sido liberado para só se apresentar novamente ao time no último dia 5, na Alemanha, onde seria a pré-temporada da equipe árabe. "A gente esperou a assinatura do contrato. Viajei para o Chile, não chegamos a assinar o contrato, porque no país era Ramadã. Me avisaram que estava tudo certo, que eu poderia ir porque estava tudo certo. Aconteceu algo parecido quando fui para o Al Ain", disse Valdivia, ao lembrar de sua primeira passagem pelo futebol árabe.

"Tudo que foi feito na primeira transferência para o mundo árabe na primeira vez foi feito agora. Peguei os dias de férias que me foram dados pelo novo clube e quando voltei, fiquei sabendo que tudo tinha sido cancelado. O motivo era porque eu não tinha acertado os valores, o que é mentira, porque tenho documentos que mostram que acertei tudo. Na minha cabeça, estava tudo certo. Tudo isso se tornou uma complicação grande pra mim, porque tive que tirar os filhos da escola, estava tudo certo para mudar", lembrou.

Valdivia ainda apontou outro possível motivo para a desistência de sua contratação, deixando claro que ainda não entendeu, de fato, os reais motivos que levaram o Al Fujairah a voltar atrás na negociação. "Pelo que sei com a pessoa que estava negociando em meu nome, o pai do xeque teria tirado o apoio do xeque porque ele disse que era muita grana e esse dinheiro poderia ser usado para hospital. Para o Palmeiras foi falado que eu não havia acertado a questão financeira. Quando fui liberado pelo Palmeiras, sábado, dia 12 de julho, na segunda já era falado que eu não era mais do Palmeiras. Agora vamos ver com o departamento jurídico qual o próximo passo", ressaltou.

FUTURO - Embora tenha retornado ao Palmeiras depois de o clube ter liberado o atleta para negociar a sua transferência para outros times, Valdivia assegurou que ainda tem motivação para seguir vestindo a camisa alviverde, até pelo fato de que tem contrato em vigência com o clube.

"Clima para ficar no Palmeiras, não vejo por que ser um clima ruim. O que aconteceu comigo, estava tudo certo. Não havia dúvida de que eu (não) ficaria, mas agora eu volto e volto com a mesma motivação que eu sempre tive aqui. Conheço os jogadores, conversei com o treinador. O clima nunca mudou, pelo menos no clube", garantiu.

O diretor-executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, esteve presente ao lado de Valdivia na entrevista coletiva desta quinta e revelou que o clube irá acionar a Justiça para defender os seus direitos, pois se sentiu lesado pelo Al Fujairah nesta negociação que renderia um bom dinheiro aos cofres palmeirenses.

"O Palmeiras, ouvindo as argumentações do atleta, recebendo as documentações necessárias, está junto com o atleta com tudo o que aconteceu. Ficamos surpresos com tudo que aconteceu e entendemos que fomos prejudicados. Para nós, ele estava acertado com Al Fujairah, mas as coisas não aconteceram. Faremos alguma ação jurídica por termos sido prejudicados e vamos lutar pelos nossos direitos e pelos do atleta", avisou.