Aécio cutuca PT e diz que 'está na hora de deixar na mão de quem sabe'

O senador fez uma série de provocações à presidente, que disputa a reeleição, durante visita à porta de uma fábrica de máquinas na manhã desta quinta-feira (7), em São Paulo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

 Aécio Neves se recusa falar sobre aeroporto em MG
Crédito: George Gianni / Divulg
Aécio Neves se recusa falar sobre aeroporto em MG

O candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves (MG), disse que o Brasil "não merece" mais quatro anos de governo Dilma Rousseff (PT). "Está na hora de deixarem na mão de quem sabe", concluiu.

O senador fez uma série de provocações à presidente, que disputa a reeleição, durante visita à porta de uma fábrica de máquinas na manhã desta quinta-feira (7), em São Paulo.

Aécio voltou a dizer que o governo perdeu a "capacidade de atrair investimentos" e que o legado de Dilma será de "estagflação": crescimento baixo e pressão inflacionária.

O tucano foi à porta da fabrica acompanhado do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e de José Serra, que concorre ao Senado em São Paulo. A incursão foi organizada por dirigentes da Força Sindical e pelo deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SDD-SP).

Cerca de 150 trabalhadores saíram da empresa para ouvir o tucano. Durante o ato, Paulinho ironizou visita que o ex-presidente Lula fez a uma fábrica no Estado nesta terça-feira (5) com seu candidato ao governo, Alexandre Padilha (PT). "Tem gente que não conseguiu reunir nem 30 trabalhadores", afirmou.

Aécio reafirmou que manterá o reajuste real do salário mínimo e disse que corrigirá a tabela do imposto de renda. Evitou, no entanto, se comprometer com o fim do fator previdenciário, reivindicação das centrais sindicais. O mecanismo foi criado no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Numa referência à dificuldade que a presidente Dilma teve nesta quarta (6) para responder sobre a participação de servidores do Planalto na elaboração de perguntas à dirigentes da Petrobras na CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que investiga a estatal, Aécio disse que o governo está "à beira de um ataque de nervos".

Leia tudo sobre: Aécio NevesprovocaçãodisputaDilma RousseffPTPSDBEleições 2014Brasil