Zico critica escolha de Dunga e Gilmar para a seleção

Galinho salientou, porém, que sua crítica não era direcionada às pessoas, mas sim à filosofia da CBF

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Projeto terá atividades para 750 alunos da rede municipal
ADRIANO BARROS / DIVULGAÇÃO
Projeto terá atividades para 750 alunos da rede municipal

Zico, ex-jogador e ex-técnico da seleção japonesa, criticou duramente nesta quarta-feira a escolha de Dunga como técnico da seleção brasileira e de Gilmar Rinaldi como coordenador de seleções.

"Sou amigo do Gilmar. Mas não concordo com a contratação. Quantas pessoas são coordenadoras há dez anos? De que adianta fazer um projeto no Cruzeiro, por exemplo, ganhar título e quando é para ir para a seleção vai um empresário de jogador?", criticou Zico, em uma referência à atividade que Gilmar desempenhava antes de ser coordenador.

As afirmações de Zico foram feitas no início da noite desta quarta-feira, após um evento da escola de futebol Bodytech da qual é responsável pela metodologia técnica. Zico participou de uma aula aberta, que contou com grande participação dos pais dos alunos da escola. Durante quase uma hora, concedeu autógrafos e posou para fotos.

Zico salientou que sua crítica não era direcionada às pessoas, mas sim à filosofia da CBF. "Minhas críticas não são para as pessoas. São meus amigos. O problema é a filosofia de colocar alguém sem ter anos de estrada", esclareceu o ex-jogador do Flamengo.

"Nunca tive interesse em ser treinador no Brasil. Mas se fosse e tivesse as mesmas conquistas que obtive no exterior, meteria o pau nessa situação. Ex-jogadores que nunca fizeram carreira sendo contratados para comandar a seleção", completou Zico.

O ex-jogador afirma que sua preocupação maior foi com a primeira convocação de Dunga, em 2006, quando ele não havia feito nenhum trabalho anterior como treinador. "Ele já treinou a seleção e passou pelo Internacional depois disso. Eu não o contrataria da primeira vez. Mas o Dunga já começou na classe AA, lá em cima. Os outros tiveram de ralar desde baixo", avaliou.

Leia tudo sobre: futebol nacionalseleção brasileiraescolhazicocríticas