Seleção esquece Olimpíadas e foca em preparação para o Mundial

Antes dos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, jogadores querem conquistar o tetracampeonato, na Polônia

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O técnico Bernardinho comanda treinos no Centro de Desenvolvimento do voleibol, em Saquarema, RJ
REPRODUÇÃO FACEBOOK CBV
O técnico Bernardinho comanda treinos no Centro de Desenvolvimento do voleibol, em Saquarema, RJ

Voltar a conquistar a medalha de ouro nas Olimpíadas é o grande desejo da seleção masculina de vôlei. E como os próximos jogos olímpicos serão em casa, no Rio de Janeiro, em 2016, é natural que a ansiedade já comece a tomar conta dos jogadores. Certo? Errado. 

Faltando praticamente dois anos para o início da competição em solo brasileiro, a equipe comandada por Bernardinho que deixar o assunto 'Olimpíadas' para depois. O foco está na próxima competição. E não é qualquer uma. Do dia 30 de agosto a 21 de setembro, a seleção disputa o Campeonato Mundial, na Polônia. Caso conquiste o título, o grupo chegará ao tetracampeonato - faturou as edições de 2002, 2006 e 2010. 

O levantador Bruninho ratifica que o time está pensando somente no próximo desafio. 

“Estão falando muito nas Olimpíadas, mas temos que segurar a ansiedade. Agora temos o Campeonato Mundial, que é muito importante na nossa modalidade, depois ainda temos a Liga Mundial no ano que vem, enfim, para nós, que vivemos do esporte, ainda falta muito tempo para os Jogos de 2016. Aqui, vivemos um dia de cada vez, uma competição de cada vez. Agora, nossa atenção está mesmo no Mundial", disse o atleta. 

O Brasil está no Grupo B, ao lado de Cuba, Alemanha, Tunísia, Coreia do Sul e Finlândia. A caminhada pelo tetra começa no dia 1º de setembro, contra os alemães, na cidade de Katowice. 

Para o central Lucão, o caminho que leva às Olimpíadas tem de ser bem feito. Para isso, um bom papel no Campeonato e na Liga Mundial é fundamental. 

"A nossa atuação na Fase Final da Liga Mundial nos deu a oportunidade de impor respeito aos adversários. Conseguimos eliminar grandes equipes, que eram favoritas. No vôlei, atualmente não existe apenas um favorito, mas quatro, cinco ou seis equipes que estarão brigando pelo título, portanto o Mundial será um campeonato muito difícil, e com muitos jogos em poucos dias. Esta é uma competição quase tão importante quanto os Jogos Olímpicos", ressaltou Lucão. 

Em segundo lugar na última Liga Mundial, quando perdeu na final para os Estados Unidos, o técnico Bernardinho espera que o time mantenha o ritmo de crescimento na próxima competição. 

"Espero que a equipe parta do patamar que terminamos a Liga para jogar o Mundial neste nível. Serão 13 jogos contra equipes fortíssimas para chegar ao título em algo em torno de 20 dias com algumas mudanças de cidade. Acredito que pelo menos 10 equipes tem condições de conquistar medalhas e, destas, seis têm reais chances de chegar ao ouro. O equilíbrio é enorme", concluiu. 

A preparação seleção brasileira para o Mundial ocorre no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, em Saquarema, no Rio de Janeiro.