"Meu ex matou Jim Morrison por acidente", afirma cantora inglesa

Marianne Faithfull afirmou que seu ex-namorado, o traficante de drogas Jean de Breiteuil, errou no cálculo da droga

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A cantora inglesa Marianne Faithfull revelou, em entrevista publicada na edição de setembro da revista britânica "Mojo", que seu ex-namorado, o traficante de drogas Jean de Breiteuil, "matou por acidente" o líder da banda The Doors, Jim Morrison.

Ele morreu no dia 3 de julho de 1971, em Paris, com apenas 27 anos e no auge de sua carreira.

O relatório médico apontou que o cantor americano havia morrido por causa de uma parada cardíaca, agravado pelo abuso de álcool, embora as autoridades francesas não tenham realizado uma autópsia por não considerar que a morte estivesse relacionada a uma causa violenta.

Mas muitos pesquisadores sustentaram ao longo dos anos que Morrison sofreu uma overdose de heroína fornecida por Breiteuil, até então, companheiro de Faithfull. Ele era conhecido como "traficante de famosos".O casal passava o verão em um hotel parisiense, quando se encontraram com Breiteuil, no dia da tragédia.

Palavras de Marianne - "Pensei: 'Vou tomar um pouco de Tuinal [barbitúricos] e não vou ir lá'. E ele [Breiteuil] foi encontrar Jim Morrison e o matou. O que quero dizer é que tenho certeza de que foi um acidente", declarou a artista, também ex-namorada do cantor do Rolling Stones, Mick Jagger.

"Pobre bastardo. Foi que a 'dose' era forte demais? Sim. E morreu. E eu não sabia nada sobre isso. De toda maneira, todo mundo relacionado à morte deste pobre menino já está morto. Exceto eu", acrescentou Faithfull, de 67 anos.

Segundo suas declarações à "Mojo", essa confissão 43 anos depois é uma consequência das "incríveis perguntas" feitas pelos jornalistas no momento em que ela seguia para Londres para "fazer promoção" de seu novo álbum que será lançado no dia 29 de setembro.

Leia tudo sobre: JIM MORRISONARTECRIMEMORTETHE DOORS