UFMG inicia primeiro semestre letivo valendo proibição a trotes

Resolução aprovada em maio passa a valer a partir desta semana, quando cerca de três mil estudantes iniciam periodo de aulas

iG Minas Gerais | BERNARDO ALMEIDA |

CIDADES BH MG: FOTOS UFMG CAMPUS PAMPULHA. REITORIA

FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 26.05.2014
DENILTON DIAS / O TEMPO
CIDADES BH MG: FOTOS UFMG CAMPUS PAMPULHA. REITORIA FOTOS: DENILTON DIAS / O TEMPO / 26.05.2014

Os 2.714 estudantes iniciando a trajetória acadêmica em 47 cursos de graduação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no segundo semestre de 2014, são os primeiros calouros  resguardados por uma medida que proíbe qualquer tipo de trote na recepção por parte dos veteranos.

A resolução 06/2014 entrou em vigor em maio deste ano, após ser aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário da UFMG.

As sanções previstas vão desde advertência e suspensão até o desligamento de estudantes responsáveis ou que estejam participando dos trotes, após todos os trâmites do processo disciplinar garantido pelo regimento da UFMG.

A resolução define como trote atividades que envolvam ou incitem agressões físicas, psicológicas ou morais, ou que causem prejuízos ao patrimônio, atrapalhem atividades acadêmicas, recorram a coação física ou psicológica, ridicularização dos estudantes, além de práticas preconceituosas, seja racial, de gênero ou de orientação sexual. São citados, também como trote, atos de intolerância religiosa, política ou ideológica.

Práticas recorrentes de trotes, como despejar óleo ou tinta sobre os calouros, além de forçá-los a usar determinados tipos de roupa, também foram proibidas no novo regulamento.

Os veteranos responsáveis pelos eventuais trotes não serão eximidos de seus atos, mesmo se houver consentimento dos calouros. A resolução determina que a penalidade vale para todas as atividades jurisdição do regulamento abrange não só as dependências da UFMG, mas qualquer lugar em que haja algum evento relacionado à comunidade universitária.

A UFMG promove, simultaneamente à proibição dos trotes, atividades pedagógicas de conscientização e combate à prática. Como parte da campanha, foi realizada, nessa segunda-feira (4), a palestra “Direitos humanos na Universidade”, no auditório da reitoria da universidade, no campus Pampulha.

Histórico

A resolução passa a valer um ano e meio após o polêmico incidente envolvendo trote na Faculdade de Direito da UFMG. Na ocasião, em março de 2013, imagens vazaram na internet, mostrando  uma caloura algemada e com o corpo pintado de preto, segurando uma placa com os dizeres: “Caloura Chica da Silva”, e veteranos fazendo a saudação nazista, enquanto um calouro permanecia amarrado a um poste.

O Ministério Público Federal (MPF) promoveu, em novembro de ano passado, uma audiência pública para discutir a adoção de medidas mais efetivas para evitar a repetição do gesto. De acordo com a UFMG, no entanto, a resolução 06/2014 é uma decisão totalmente interna, sem interferência do MPF.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave