Uma via-sacra sem rascunho

Restauração de telas de Portinari em igreja de Batatais (SP) revela o pleno domínio da técnica por parte do artista

iG Minas Gerais |

Telas. Processo de restauração das telas de Portinari em igreja de Batatais ainda está em curso
Prefeitura de Batatais / Divulgação
Telas. Processo de restauração das telas de Portinari em igreja de Batatais ainda está em curso

Ribeirão Preto, SP. As telas de Candido Portinari (1903-62) abrigadas na Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus da Cana Verde, em Batatais (interior de São Paulo), foram criadas sem hesitação, rascunho ou remorso. É o que já revela uma pesquisa em andamento do Instituto de Física da USP (Universidade de São Paulo) sobre o conjunto de quadros.

As obras do artista paulistano na igreja de Batatais estão sendo restauradas desde janeiro. São, no total, 28 telas. Dez das 14 telas da via-sacra já foram restauradas. O restante deve ficar pronto até outubro. O trabalho custou R$ 374 mil ao Estado. Com auxílio de raio-X e infravermelho, os pesquisadores detectaram que por trás das pinturas não havia nenhum tipo de rascunho. Isto significa que ele criou sem errar as telas que chegam a ter 299 x 199 cm de dimensão.

Para a professora e coordenadora do curso de pós-graduação de história da arte da Faap, Caru Duprat, apesar de não ser rara, a técnica de Portinari demonstra que o pintor tinha total domínio do que fazia. “Isso aparece bastante nos expressionistas, como Van Gogh. Portinari era um exímio desenhista”, afirma.

Para o curador-chefe do Museu de Arte de São Paulo (Masp), Teixeira Coelho, a descoberta acrescenta muito à biografia do pintor. “Ele pintava praticamente ‘de olhos fechados’. Fazia estudos no papel e transcrevia para a tela”, diz Márcia de Almeida Rizzutto, pesquisadora da USP. “Portinari era um artista muito organizado e planejava bem suas criações, com antecedência”, disse a restauradora das obras, Florence Maria White de Vera.

De acordo com Rizzutto, o objetivo principal da pesquisa da USP é definir a paleta de cores e pigmentos usada por Portinari durante o período de criação das obras, entre 1952 e 1953. O trabalho já revelou a preferência de Portinari pelo uso de pigmentos como o vermelho, à base de ferro, e o azul, à base de cobalto.

Exposição. Em Brasília, a obra mais valiosa do Museu de Valores do Banco Central, o painel “Descobrimento do Brasil”, de Portinari, pode ser visto pelo público no primeiro sábado de cada mês a partir deste mês. A exibição faz parte da mostra “A Persistência da Memória”, na sede da instituição em Brasília.

A primeira parte da exposição começou em junho e pode ser vista de terça a sexta, das 10h às 18h. Somente agora, no entanto, será possível ver o painel de cinco metros de altura. E apenas no primeiro sábado de cada mês, das 14h às 18h.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave