A voz Celeste

iG Minas Gerais |

Existem comentaristas de TV falando que, para o bem do futebol brasileiro, seria bom o Cruzeiro perder. Roger Flores foi de uma infelicidade tamanha, mostrou-se parcial e sem critério para julgar qualquer coisa. Afinal, vindo desse senhor, tudo é possível. Para o bem do futebol, sempre é bom vencer quem mostra um futebol moderno, objetivo e um planejamento para vários anos. Mas, como venho falando, o eixo Rio-São Paulo não quer que o maior de Minas conquiste o tetracampeonato. Os jogadores se apresentam hoje na Toca da Raposa e começam a preparação para o jogo de sábado contra o Criciúma. Temos que fazer a conta porque perdemos dois pontos contra o Botafogo. Abraços ao pessoal da Prado Azul, Fernando Tubulão e cia. Vamos rumo ao tetra! Avacoelhada  

O Coelhão não demonstrou futebol convincente contra o ABC, mas, com bastante determinação, conquistou três pontos e manteve a vice-liderança na Série B. Apesar da escalação de dois meias de ligação, na prática, só um deles ficou responsável pela articulação. Em vez de dois armadores no quadrado do 4-4-2, o losango ofensivo do 4-2-3-1 foi repetido. Tchô foi o único articulador centralizado. Mancini jogou na função de meia-atacante, aberto pelos lados ou muito próximo de Obina. Sem Gílson para iniciar as jogadas de transição, com Pablo, Eduardo e Andrei errando os lances na saída de bola, André e Vitor Hugo tentaram a ligação direta. Obina teve desempenho típico de centroavante. Destaque para Vitor Hugo, Leandro Guerreiro e Willians. A voz da Massa Saudações alvinegras! Não é à toa que Levir se considera “um burro com sorte”. No jogo diante do Atlético paraguaio, quando todos reclamavam das mudanças que ele fez no Galo e o vaiavam, o time vai lá e pá – melhora a produção em campo e vence por 3 a 1! Dois gols contra, é verdade, mas que também valem! Eu também reclamei. Achei que Guilherme não deveria ter saído, e, sim, Jô que estava mal. Mas o placar foi justo, o Galo não merecia sair do Horto com outro resultado. Pena que aqueles lances de sorte fazem parecer que o time não jogou nada, o que não é verdade. Mas o que importa é que o Galo venceu e segue firme no Brasileirão. Agora, o que jogou o tal de Leonardo Silva foi brincadeira, o cara foi um monstro. Valeu, Léo, e dá-lhe, Galo! 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave