Paes defende prepararão para Rio/2016 e alfineta Fifa

Prefeito deixou transparecer que considera mais fácil trabalhar com o Comitê Olímpico Internacional (COI) do que com a entidade que rege o futebol

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Juntas, a Carvalho Hosken e a Cyrela investiram R$ 1,150 mi no peemedebista
MARLON FALACAO /AE - 31.8.2012
Juntas, a Carvalho Hosken e a Cyrela investiram R$ 1,150 mi no peemedebista

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, passou os últimos meses que antecederam a Copa do Mundo evitando fazer críticas à Fifa, mas, na manhã desta segunda-feira, voltou a alfinetar a entidade máxima do futebol ao comentar a preparação da capital fluminense para os Jogos Olímpicos de 2016. Paes assegurou ainda que todas as obras visando a Olimpíada serão entregues no prazo, mesmo que isso "não seja exatamente uma característica dos brasileiros".

As declarações do prefeito foram dadas durante discurso na sede do Comitê Rio 2016, que até quarta-feira sedia o Encontro Nacional de Mídia, que reúne jornalistas de todo o País com o intuito de apresentar um panorama da preparação do Rio para os Jogos de 2016, que acontecem em agosto de 2016.

Paes não chegou a fazer uma crítica direta à Fifa, mas deixou transparecer que considera mais fácil trabalhar com o Comitê Olímpico Internacional (COI) do que com a entidade que comanda o futebol. "Os Jogos Olímpicos há muito tempo deixaram de ser apenas um evento esportivo", disse o prefeito, citando trecho constante no site do COI. "O COI, muito mais do que a Fifa - eu jurei que não iria fazer essa comparação - tem essa percepção", afirmou o prefeito.

Em discurso de pouco mais de 25 minutos, Paes defendeu a atuação de sua administração na organização da Olimpíada. Segundo ele, "este será um exemplo de Jogos na economia de recursos públicos" já que mais da metade dos R$ 37,6 bilhões já orçados vêm da iniciativa privada.

O prefeito garantiu ainda que todas as instalações serão entregues dentro do prazo. "Não é exatamente uma característica dos brasileiros fazer as coisas no prazo, mas isso é um legado intangível que nós vamos aprender", disse, afirmando ainda que "nenhuma cidade se transformará tanto quanto o Rio de Janeiro".

Leia tudo sobre: coieduardo paesrio de janeiro jogosolimíadaprefeitofifa