Ucrânia pede que civis abandonem cidades controladas por separatistas

O governo da Ucrânia se refere aos separatistas, que declararam independência em Donetsk e Lugansk, como terroristas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

As autoridades da Ucrânia pediram nesta segunda-feira (4) à população civil do leste do país que abandone todas as cidades e povoados controlados pelos separatistas pró-Rússia em Donetsk e Lugansk.

"Os terroristas roubam a população, sequestram cidadãos e tomam edifícios particulares e meios de transporte. Por isso pedimos à população local para que abandone os territórios tomados pelos terroristas", disse em Kiev o secretário do Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia, Andrei Lisenko.

O governo da Ucrânia se refere aos separatistas, que declararam independência em Donetsk e Lugansk, como terroristas. O comando militar ucraniano anunciou nesta segunda a abertura de corredores humanitários para facilitar a saída de civis das cidades para outras regiões do país.

Os combates se intensificaram nas últimas semanas nas cidades de Lugansk, Donetsk e Gorloka, os principais redutos dos separatistas pró-Rússia, que eram habitadas por 1,7 milhão de pessoas antes do início do conflito armado. As três localidades estão praticamente rodeadas pelas tropas ucranianas.

Os corredores humanitários, um para cada uma dessas três cidades, estarão abertos entre as 10h e 14h (horário local, 4h e 8h em Brasília), explica um comunicado do comando das forças ucranianas. Cada corredor, segundo a nota, tem uma rota claramente estabelecida e no período de seu funcionamento as tropas ucranianas não abrirão fogo a menos de 200 metros do mesmo ao longo de toda seu percurso.

Os combates chegaram à cidade de Lugansk há semanas, onde desde final de julho morreram mais de cem civis sob fogo de artilharia. Militares e rebeldes se acusam mutuamente pelas mortes.

Lugansk, habitada por meio milhão de pessoas antes da guerra, encontra-se à beira de uma catástrofe humanitária, sem água nem luz, sem comunicações e praticamente desabastecida de alimentos perecíveis e combustíveis.

Em Donetsk, os combates continuam nos acessos à cidade tanto pelo norte como oeste, enquanto o fogo de artilharia chegou a alguns bairros da cidade próximos às zonas onde as forças de Kiev enfrentam os rebeldes.

Cinco soldados ucranianos morreram e 14 ficaram feridos em combates nas últimas 24 horas, segundo Lisenko.

"As unidades que participam na operação anti-terrorista de ontem tomaram a cidade de Yasynuvata, que é um centro importante do sistema ferroviário da região," disse Lisenko. A cidade fica ao norte de Donetsk, nas proximidades de uma estrada principal que conduz a Lugansk.

Rússia

O Ministério da Defesa da Rússia está realizando exercícios militares com mais de 100 aeronaves nas regiões centrais e ocidentais, segundo a agência de notícias Interfax, citando o porta-voz da força aérea Igor Klimov.

O distrito militar ocidental da Rússia faz fronteira com a Ucrânia. Os exercícios estão previstos entre os dias 4 e 8 de agosto.

Países ocidentais e a Ucrânia acusam a Rússia de dar apoio --inclusive militar-- aos rebeldes na fronteira.

Avião

Kiev intensificou sua campanha contra os separatistas depois que um avião de passageiros da Malásia foi derrubado no território controlado pelos rebeldes em 17 de julho, matando todas as 298 pessoas a bordo.

A Organização para Segurança e Cooperação Europeia (OSCE), que está acompanhado o trabalho dos peritos internacionais no local onde caiu o Boeing-777, disse no Twitter que mais de uma centena de especialistas chegou à área com cães farejadores nesta segunda.

Um grande grupo de especialistas internacionais já trabalhou no local desde sexta-feira (1º), quando conseguiram acessar o local depois de dias de confrontos na região.

Leia tudo sobre: ConfrontoconflitoRússiaUcrâniapró-russosseparatistasMundo