Marina defende autonomia

Marina afirmou ainda que a chapa do PSB à sucessão presidencial está fechando informações para lançar o programa de governo em 13 de agosto

iG Minas Gerais |

Vital do Rêgo, presidente da CPI, prometeu verificar a denúncia
Geraldo Magela/Agência Senado
Vital do Rêgo, presidente da CPI, prometeu verificar a denúncia

São Paulo. A institucionalização da autonomia do Banco Central não é um problema na chapa do PSB à sucessão presidencial, segundo a candidata a vice-presidente Marina Silva. Há um consenso, segundo ela, em torno da questão, mas a criação de garantias para assegurar a autonomia do órgão regulador, como um projeto de lei, por exemplo, ainda está em discussão.  

“Nossa posição unânime é de que o BC tem de ter autonomia porque sem ela não há como dar conta daquilo que queremos recuperar que são os instrumentos da política econômica. O Eduardo (Campos) sempre tem defendido a autonomia na prática e o sinal do ponto de vista político que viria com a institucionalização”, afirmou Marina.

Segundo ela, assegurar a autonomia do BC via um projeto de lei é um tema que divide especialistas, com alguns indicando que a medida seria um sinal forte enquanto que outros acreditam que não é o caso de efetivá-la. Marina afirmou que é preciso verificar a oportunidade e a conveniência de tal passo.

Sobre a política de crédito a ser proposta pelo programa de governo de Eduardo Campos, do qual é vice, a candidata afirmou que a chapa é bastante criteriosa quanto à transparência e debate da participação dos bancos públicos no estímulo ao crescimento da economia brasileira. Para ela, não é possível escolher “quem são os ganhadores” no setor bancário. “A sociedade precisa de critérios transparentes para que se possa disponibilizar meios, recursos e financiamentos. Até porque isso sai do orçamento público e não é discutido no Congresso”, explicou ela.

Marina afirmou ainda que a chapa do PSB à sucessão presidencial está fechando informações para lançar o programa de governo em 13 de agosto. “Eu e o Eduardo não queremos fazer alguma coisa que depois a gente diga que está insuficiente”, disse. A candidata participou de caminhada no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, ao lado da deputada Luiza Erundina (PSB). Durante o percurso, Marina foi chamada de “homofóbica” por duas pessoas.

Em família

Festa. Eduardo Campos dedicou o fim de semana à família. Ele participou da festa de aniversário de 90 anos da sua tia avó, Almina Arraes, irmã do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave