Em alta, cota patrimonial de clube pode valer até R$ 30 mil

Média de investimento é de R$ 7.680: sem oferta, comprar participação no Minas é mais caro

iG Minas Gerais | ludmila pizarro |

Único caso. Demanda alta faz preço da cota do Minas Tênis Clube ser o mais alto de Belo Horizonte
leo fontes
Único caso. Demanda alta faz preço da cota do Minas Tênis Clube ser o mais alto de Belo Horizonte

O que vale mais: um carro popular ou uma cota no clube mais tradicional de Belo Horizonte? Para alguns consumidores, os dois valem a mesma coisa, já que eles estão dispostos a desembolsar cerca de R$ 30 mil para usufruir das quatro unidades do Minas Tênis Clube (Minas I, II, Country e Náutico). Em contrapartida, clubes reconhecidos por suas estruturas, como o Cruzeiro, no Barro Preto, e o Labareda, na região da Pampulha, oferecem cotas por cerca de R$ 600. Uma variação de 4.900%.

A explicação para esse fenômeno pode estar na conhecida lei da oferta e da procura. Adquirir uma cota no Minas Tênis I, que dá acesso aos demais, só comprando de um sócio atual disposto a vender. Carla Pedroso, cerimonialista, vendeu sua cota no Minas Tênis há cerca de três meses por R$ 26 mil. “Poderia continuar com a cota, mas fiz por uma questão financeira”, relata. Além do valor pago ao antigo proprietário, o novo sócio desembolsa uma taxa de transferência que está em torno de R$ 3.600. O engenheiro civil Carlos Eduardo Chaves do Carmo fechou negócio há cerca de duas semanas e voltou a ser sócio do Minas pagando R$ 28.300, incluindo a taxa de transferência, na qual obteve um desconto por já ter sido cotista do clube. “Um diferencial do Minas é que, mesmo sendo um valor mais alto da cota, ele não se perde porque você pode recuperá-lo em uma venda futura. Em muitos clubes não tem isso, a cota não tem mercado para ser revendida. O único valor que eu perco mesmo é o mensal, do condomínio”, afirma. Carlos Eduardo exemplifica sua escolha contando sua experiência como ex-sócio. “Quando vendi minha cota anteriormente, queria comprar um carro novo, então abri mão e fui para o Pampulha Iate Clube (PIC), que também é um clube muito bom, mas era longe da minha casa. Então, acabei voltando para o Minas agora”. Comodidade. A localização, para o engenheiro, que mora no bairro Funcionários, é fundamental, principalmente para quem, como ele, tem filhos. “O Minas oferece uma estrutura muito boa, com escolinha de esportes, do lado de casa. É importante residir perto do clube”. A estudante Rafaella Oliveira concorda. “Moro do lado e por isso venho nadar e tomar sol sempre que não tenho aula”, afirma. Os benefícios citados incentivam algumas pessoas a faturar uma grana extra saindo do clube. Um sócio que não quis ser identificado colocou sua cota à venda por R$ 29.990 há cerca de um mês por meio de anúncios na internet e em suas redes sociais. “Já me ofereceram R$ 24 mil e R$ 26 mil, mas não aceitei. Prefiro esperar. Agora está frio e talvez por isso não está tendo procura. Vou esperar esquentar para vender pelo meu preço”, conclui.

Corretores

Mercado. O engenheiro Carlos Eduardo confirma que existem pessoas que comercializam cotas. “Comprei uma cota agora do mesmo corretor para quem vendi outra, anteriormente”, declara.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave