Empresário não está otimista com o mercado

iG Minas Gerais |

A Orteng tem cerca de 50 a 70 clientes que são sempre de grandes indústrias, mas nem neste ano, nem em 2015, o vice-presidente do grupo, Ricardo Vinhas, prevê crescer muito. “Para se crescer vigorosamente, é necessária estrutura financeira adequada”, defende.

Por isso, o empresário não está otimista com o mercado futuro. “As dificuldades pelas quais nosso país passa, seja de credibilidade externa ou mesmo pelas nossas contas internas não nos permitem ser otimistas”, justifica.

Para Vinhas, as crises setoriais são muitas, e ainda estamos passando por um ano eleitoral. “A Copa do Mundo realizada no Brasil também influenciou muito, pois, embora possa ter fomentado alguns setores ligados ao esporte, para a grande maioria das indústrias significou perda de produtividade pelo elevado número de horas não trabalhadas”.

O vice-presidente da Orteng explica que o mercado básico do grupo dele é ligado ao desenvolvimento, ao crescimento e à infraestrutura. “Áreas importantes de nosso mercado de atuação neste ano não vão bem, como Petrobras e mineração”. (HL)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave