Mercado do Santa Tereza e construção no Lagoinha são temas de votação

As propostas foram levadas para a 4ª Conferência Municipal de Política Urbana de Belo Horizonte e podem virar lei

iG Minas Gerais | ALINE DINIZ |

Na manhã deste sábado (2), a prefeitura de Belo Horizonte apresenta as propostas de mudanças discutidas e votadas pela sociedade que podem, depois de passar pela Câmara e pelo aval do prefeito, virar lei. As mudanças nas chamadas Áreas de Diretrizes Especiais (ADE’s) estabelecem critérios de ocupação específicos para algumas regiões da cidade, como tombamento histórico ou preservação ambiental. A discussão acontece na 4ª Conferência Municipal de Política Urbana de Belo Horizonte, que está em seu último dia e tem previsão de terminar por volta de 18h deste sábado. 

No bairro São Bento, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, o comércio nos dois lados da rua Coronel Antônio de Paiva foi aprovado. Atualmente, é permitido apenas em um lado da via. E no Buritis, a área de permeabilidade para novas construções terá que ser de 30%, diferente dos 20% praticados atualmente. Já na Lagoinha, na região Noroeste de da capital, a proposta de redução no IPTU para imóveis que não têm vagas de garagem foi rejeitada.

Segundo o gerente de legislação urbana da secretaria de planejamento da prefeitura de Belo Horizonte, José Júlio, os debates entre os delegados foram positivos, já que eles levantaram questões importantes para os belo-horizontinos. Durante a manhã, ele ressaltou a importância da votação de duas ADE’s. A primeira é a Revogação do Licenciamento do Mercado de Santa Tereza, que foi rejeitada. Outra é a definição das regras do controle de altura das edificações da Lagoinha. De acordo com Júlio, as construções poderão ter, no máximo, 6,5 metros, no coração do bairro, e nove metros nos e para arredores. “Mesmo que haja mudanças, o ambiente do bairro será mantido”, disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave