Concerto de Arnaldo Baptista, um loki lúcido

Ex-líder dos Mutantes reestreia o show “Sarau O Benedito?” com repertório de 70 clássicos escolhidos na hora de tocar

iG Minas Gerais | LUCAS SIMÕES |

Show. No palco, Arnaldo Baptista revive clássicos da carreira solo, acompanhado do piano e projeções de suas próprias pinturas
Fabio Heizenreder/Divulgação
Show. No palco, Arnaldo Baptista revive clássicos da carreira solo, acompanhado do piano e projeções de suas próprias pinturas

Arnaldo Baptista está ansioso, mas não maluco. Às vezes para em pé na frente do próprio piano, como um honk tonk maldito, e destila notas ao léu imaginando que é Chopin na sala de casa, em um arejado sítio em Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira. Não, ele ainda não selecionou o repertório de reestreia do show “Sarau O Benedito?”, que apresenta em caráter inédito, em Belo Horizonte, neste domingo, no Cine Theatro Brasil Vallourec, acompanhada apenas do piano alemão Scary de cauda. Mesmo assim, o músico não alimenta qualquer preocupação com esse “mero detalhe”, segundo a sua serenidade implacável.

“O piano é o único instrumento que me fascina de verdade hoje. Ele é meu norte e fico feliz em poder reencontrar uma plateia ao lado desse companheiro, como chamo minha nave de cauda e notas brancas e pretas. Agora, ensaiar é demais”, justifica às gargalhadas o ex-líder dos Mutantes.

O espetáculo “Sarau O Benedito?” é uma montagem idealizada por Arnaldo Baptista em 2011, quando estreou com show na Virada Cultural de São Paulo – em um modelo similar ao seu espetáculo solo apresentado no Teatro Tuca, em São Paulo, em 1981. A última apresentação do espetáculo, no entanto, aconteceu em outubro do ano passado, no Festival Morro Stock, em Sapiranga, no interior do Rio Grande do Sul. Aproveitando os 40 anos comemorativos do emblemático “Loki” (1974), primeiro álbum solo de Arnaldo Baptista, e também o relançamento de sete discos de toda a carreira dos Mutantes, o ex-psicodélico loki decidiu voltar à ativa. “As comemorações me incentivaram. É um show que gosto de fazer porque não preciso de roteiro ou sintonia com banda. Só eu e eu mesmo”.

Dessa forma, Arnaldo Baptista sobe ao palco do Cine Theatro Brasil munido apenas de uma pasta preta contendo um apanhado de 70 canções de toda a sua carreira solo – que passeiam por todos os seus discos, Loki?” (1972), “Singin Alone” (1981), “Disco Voador” (1987) e o mais recente, “Let It Bed” (2004).

Poucos minutos antes de abrir o show, ele seleciona as pérolas que abrem o espetáculo. Clássicos como “Balada do Louco”, “Vou Me Afundar Na Lingerie”, “Será que Eu Vou Virar Bolor?” e “Jesus Come Back to Earth” são interpretados quase como um culto particular de Arnaldo Baptista. “Às vezes eu sussurro alguns trechos de canções, às vezes cultivo o silêncio. É um show intimista, mas ao mesmo tempo agitado, ainda que seja apenas eu e o piano”, diz.

Novas. Parte das dez canções mais recentes de Arnaldo Baptista, gravadas no disco “Esphera” (2004), com produção do guitarrista do Pato Fu, John Ulhoa, também serão mostradas no show, mesmo que o álbum até hoje não tenha sido colocado à venda. À espera de patrocínio para viabilizar o trabalho, Arnaldo Baptista tem tocado parte das músicas há pelo menos dois anos. “É um repertório que ninguém conhece praticamente. Mas está lá gravado, então preciso tocar. Até porque gosto dessas músicas”, atesta.

PINTURAS. Ao longo do show, uma série de pinturas que Arnaldo Baptista desenvolve há 30 anos serão projetadas em um grande painel para ilustrar as músicas. Algumas obras vão inaugurar também a segunda exposição individual do artista, que vai acontecer entre novembro de 2014 e janeiro de 2015, na galeria Emma Thomas, em São Paulo.

  • AGENDA
  • Detalhes. Arnaldo Baptista apresenta o show “Sarau, o Benedito?” no Cine Theatro Brasil Vallourec (av. Amazonas, 315, centro). O show acontece neste domingo, às 19h. As entradas variam entre R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia-entrada). Até ontem, restavam poucos ingressos à venda.
  • Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave