Missão começa a retirar restos mortais de destroços de avião

Este é o segundo dia em que os inspetores, que estão na região desde domingo (27), conseguiram chegar ao local

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A missão internacional que investiga a queda do avião da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia começou nesta sexta-feira (1º) a retirada de mais de 80 corpos das 298 pessoas a bordo da aeronave, que caiu em 17 de julho.

Este é o segundo dia em que os inspetores, que estão na região desde domingo (27), conseguiram chegar ao local. O acesso deles ficou impedido até quarta devido aos combates entre o Exército ucraniano e os separatistas pró-Rússia.

Segundo a porta-voz da missão, a holandesa Ilona de Ruyter, os 70 especialistas coletaram todos os restos mortais que eles conseguiram achar nos destroços. Ela não deu detalhes sobre quantos corpos foram recolhidos.

Os restos mortais serão levados para a base do grupo em Soledar, cidade a 90 km do local do acidente e que é controlada pelo governo. Antes, os especialistas estavam alocados em Donetsk, dominada pelos separatistas.

Em seguida, eles devem ser encaminhados para Kharkov, de onde partirão para a Holanda para que sejam identificados. Até o momento, 227 caixões com corpos e restos mortais foram levados ao território holandês. Porém, os peritos só conseguiram identificar dois passageiros.

Combates

Apesar do acordo entre os militares e os separatistas para que a missão tivesse acesso ao local da queda, os combates continuaram em vilarejos vizinhos e puderam ser ouvidos pelos investigadores.

Pelo menos dez soldados ucranianos foram mortos durante a madrugada em enfrentamentos com separatistas na cidade de Shakhtarsk, a 25 km da região dos destroços, segundo as autoridades ucranianas.

Em Lugansk, cinco civis foram mortos e nove ficaram feridos em confrontos nas últimas 24 horas no cerco do Exército à cidade. Moradores acusam o governo de cortar a água e a energia elétrica e impedir a entrada de alimentos.

Desde a queda do avião da Malaysia Airlines, o Exército ucraniano começou uma operação que já retomou 60 cidades do leste do país, o melhor momento desde que começaram os combates contra os separatistas, em março.