‘Dá pra governar com 20 pastas’

Questionado hoje sobre a declaração da presidente, Campos afirmou que não esperava outra coisa

iG Minas Gerais |


Campos participou de carreata em Porto Alegre com Marina Silva
PEDRO H. TESCH/BRAZIL PHOTO PRES
Campos participou de carreata em Porto Alegre com Marina Silva

Porto Alegre. O candidato do PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, voltou a defender a redução de ministérios e secretarias como forma de enxugar a máquina pública e afirmou que, caso eleito, vai propor o aumento de dois pontos percentuais nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A redução do número de pastas é bandeira da oposição, e o reajuste do FPM é a principal causa dos prefeitos hoje.  

“É possível, sim, governar o país com 20 ministérios, não só é possível como é necessário”, afirmou ele na capital gaúcha. Nessa quarta, em sabatina da Confederação Nacional da Indústria, a presidente Dilma Rousseff provocou: “Qual é o ministério que eles querem acabar? Me digam concretamente que eu discuto”.

Questionado hoje sobre a declaração da presidente, Campos afirmou que não esperava outra coisa. “Governando com 39 ministérios, distribuindo ministérios em troca de tempo de televisão, como se fez nos últimos 15 dias, imagine o que ela poderia dizer a não ser isso”.

A uma plateia formada por prefeitos em evento na capital gaúcha, ele garantiu que há recursos para tornar o pacto federativo brasileiro mais justo e eficiente e criticou a política de desonerações do atual governo, como no caso do IPI, que, segundo ele, não dá mais resultado e, de quebra, acaba gerando diminuição dos repasses às cidades.

Congresso. Campos afirmou que é estranho a presidente ter 30% de aprovação da sociedade, mas querer governar com 90% de apoio do Parlamento. “Aí não tem governo, o governo fica inviabilizado porque não tem sustentação política”, disse, após o encontro com prefeitos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave