Record aposta em escândalos políticos

iG Minas Gerais | Da redação |

Daniella Ggalli será uma deputada com passado de líder estudantil
Record/ Divulgação
Daniella Ggalli será uma deputada com passado de líder estudantil

Com temática ambiciosa, a Record prepara para 30 de setembro a estreia da minissérie “Plano Alto”. A trama será baseada em casos reais de escândalos políticos. Uma das inspirações é o impeachment do então presidente Fernando Collor de Mello, em 1992. A minissérie, de 12 capítulos, foi escrita por Marcílio Moraes e tem direção de Ivan Zettel.

Gracindo Jr. fará um dos políticos da história, Guido Flores, que enfrentará uma CPI investigando irregularidades em seu mandato. A atriz Daniela Galli será a deputada Júlia, ex-líder estudantil. A personagem é casada com João Titino, papel de Milhem Cortaz.

Do outro lado do jogo está a jornalista Lucrécia (Carla Diaz). Insatisfeita com os rumos da política no país, ela se engaja na luta por mudanças e passa a frequentar as manifestações, até que se transforma em uma das líderes, como uma black bloc.

Com isso, a minissérie pretende cobrir três gerações de história política do Brasil, desde os guerrilheiros dos anos 1960 aos cara-pintadas e aos manifestantes de junho de 2013.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave