Expectativa para o futuro sem R10

Galo ainda pode usar a imagem de ídolo construída pelo camisa 10 em pouco mais de dois anos

iG Minas Gerais | Thiago Nogueira |

Despedida. No último jogo de Ronaldinho com a camisa alvinegra, também marcado pela conquista da Recopa, o craque foi muito tietado pelos torcedores, que aproveitaram para registrar tudo em fotos
Bruno Cantini
Despedida. No último jogo de Ronaldinho com a camisa alvinegra, também marcado pela conquista da Recopa, o craque foi muito tietado pelos torcedores, que aproveitaram para registrar tudo em fotos

Foi-se o ídolo, fica a instituição. Em pouco mais de dois anos, Ronaldinho Gaúcho agregou à marca Atlético uma lista de atributos, que vão da internacionalização do clube ao aumento da arrecadação. Mas, e agora?  

Para especialistas, não deve haver perdas do ponto de vista de imagem, mas tudo depende de como o time vai reagir dentro de campo. “A saída do Ronaldinho não deveria gerar quebras. O clube conseguiu um patamar de receitas e tem uma torcida fanática. O Atlético, agora, precisa trabalhar a imagem dele como ídolo, que inspire os que ficam, os mais jovens”, analisou o sócio-diretor da Pluri Consultoria, Fernando Ferreira.

Neste primeiro momento, o Atlético parece seguir essa linha. Na despedida do jogador, na última quarta-feira, Ronaldinho recebeu o Galo de Prata, a maior honraria concedida pelo clube, que nunca tinha sido entregue a um jogador em atividade entre 103 condecorações.

“Aquele menino que chegou chorando vai embora às gargalhadas falando para o Brasil inteiro que ‘aqui é Galo’”, disse o presidente Alexandre Kalil, explorando a frase dita pelo craque durante a vitoriosa campanha na Libertadores de 2013.

Os números provam o crescimento do Galo nos últimos anos. Segundo a consultoria esportiva BDO, o Atlético aumentou 40% de sua receita entre 2012 e 2013, passando de R$ 163 milhões para R$ 228 milhões. Já o valor da marca cresceu 66% do ano passado para este ano, saltando de R$ 214,9milhões para R$ 357,6 milhões.

“O Atlético teve, sim, uma grande valorização neste período com o Ronaldinho. Ele já era uma marca internacional consolidada e, com o sucesso dentro de campo, fez com que o Atlético mudasse de patamar”, analisou o gerente da divisão de esportes da BDO, Pedro Daniel. Nesse cenário, inevitavelmente, a expectativa é pela queda na venda de produtos esportivos.

Considerações

Cálculos. Para a Pluri Consultoria, é impossível quantificar em cifras quanto Ronaldinho gerou de dinheiro para o clube. “Os impactos são múltiplos. A quantificação é intangível”, explica Fernando Ferreira.

Substituto. É difícil achar no mercado um jogador que substitua Ronaldinho dentro dos mesmos patamares salariais, qualidade técnica e repercussão internacional.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave