No coração da cidade

Para quem trabalha na região ou está de passagem por ela, o Gastrô selecionou endereços para um almoço especial, com pratos mais elaborados que fogem do self-service

iG Minas Gerais | Lygia Calil |

O filé de tilápia do Café Cine Brasil é empanado em farinha de pão de queijo e servido com risoto de brócolis
O filé de tilápia do Café Cine Brasil é empanado em farinha de pão de queijo e servido com risoto de brócolis

Na rota da boa gastronomia de Belo Horizonte, poucas pessoas acrescentariam endereços do centro da capital – afinal, há corredores mais badalados e uma profusão de nomes estrelados em outros pontos da cidade, como Lourdes, Savassi e Pampulha. Ainda que não seja a mais famosa, a Região Central tem uma vantagem: a localização, que a torna imbatível para a hora do almoço para quem trabalha por ali ou está de passagem. Há restaurantes que se destacam pelo conceito e por oferecer refeições mais elaboradas do que o quilão de todo dia.

Um deles é parte da cidade há 89 anos – o Automóvel Clube, que, entre outros detalhes, conserva aspectos que nos transportam para outro século: a fachada imponente, salões espaçosos e um ambiente com certo ar aristocrático. Ali, entre memórias de outras épocas, é servido um almoço em esquema de bufê a preço único, R$ 48. No cardápio, nada de foie gras com caviar regado a champanhe, como poderia supor quem passa na esquina das avenidas Afonso Pena e Álvares Cabral. Surpreendentemente, pratos populares têm espaço garantido na rotina da semana, como o frango com quiabo das terças-feiras e a rabada com espinafre das quartas.

Além dos pratos fixos, o serviço inclui pelo menos 20 opções de saladas e entradas quentes, quatro tipos de carnes, duas massas, guarnições – e, é claro, as sobremesas. “O nosso forte, hoje, é a versatilidade. O público se renovou e tivemos de mudar junto. Ainda recebemos aqueles clientes que fizeram a festa de 15 anos, o casamento e as bodas aqui. Por eles, mantemos nossos pratos mais clássicos, como o Salmão à Belle Meunière, por exemplo. Mas há uma clientela mais jovem que merece nossa atenção, com pratos mais contemporâneos”, diz o chefe da cozinha, Nélio Eustáquio.

Outro bufê da região é o do restaurante escola do Senac, servido a partir de quarta-feira (R$ 45). Tudo o que é oferecido na casa é preparado pelas mãos dos alunos, na última fase do curso de cozinheiro profissional antes de chegarem ao mercado. Segundo o chef executivo do restaurante, Luciano Avellar, os estudantes contam com a supervisão de professores que garantem que o resultado servido aos clientes tenha qualidade profissional.

As segundas e terças-feiras são dedicadas a um menu à la carte, mas o bufê atrai mais clientes do que os empratados. Para Avellar, o Senac se diferencia dos outros restaurantes da região pela qualidade. “Usamos insumos muito selecionados, de nível internacional. Como não temos fins lucrativos, o que o cliente paga é o que ele recebe no prato”, diz. Na oferta de receitas, há dias temáticos, como as quintas-feiras com cardápios nacionais, que podem ser de comida mineira, catarinense, baiana ou carioca; ou as sextas, com culinárias típicas internacionais, como alemã, italiana, espanhola e portuguesa.

Focado principalmente em um público mais jovem, o centro cultural CentoeQuatro acaba de inaugurar o serviço de almoço à la carte do Café 104, que já funcionava no local como uma cafeteria tradicional. A ideia, segundo a coordenadora do espaço, Luciana Tanure, é oferecer um lugar em que é possível aproveitar o horário de almoço para relaxar, gastando pouco. “A pessoa vem, come uma comida gostosa, finaliza com um café e vai folhear um livro, ver uma exposição e, se o tempo permitir, emendar com uma seção de cinema”, afirma ela.

Elaborado com consultoria do chef Mário Augusto Baeta, o cardápio prima por receitas com uma pegada simples, com nomes que prestam homenagens a avenidas, prédios e monumentos próximos dali. Entre os pratos principais, o Prato da Estação (R$ 23), por exemplo, tem lombinho de porco grelhado com molho de goiaba e pimenta fresca, couve refogada e mandioquinha frita, arroz e feijão preto. “São pratos com uma cara de comida do dia a dia, mas têm criatividade. Os pratos seguem o conceito do próprio espaço, são despojados e irreverentes”, diz Luciana.

Executivo autoral. O chef Gabriel Trillo saiu do Verano no ano passado para assumir o Café Cine Brasil e desde a abertura, com a reinauguração do centro cultural, oferece almoço de segunda-feira a sábado. Na nova experiência, Trillo traça uma ponte entre a refeição executiva e a gastronomia contemporânea.

Mesmo à frente de uma casa com giro maior e preços menores, o chef fez questão de levar com ele suas técnicas e a criatividade que o caracterizavam no antigo restaurante. Assim, nos pratos que oferece no café aparecem surpresas como a tilápia empanada em farinha de pão de queijo, uma receita exclusiva dele. O tom mineiro domina a maior parte das receitas que levam ingredientes como maria-gondó, ora pro nobis e queijos artesanais. “O cardápio é sofisticado, mas não perde as raízes da culinária do Estado, o que me permite uma relação mais próxima com produtores e oferecer um resultado melhor para o cliente”, explica o chef.

O menu fechado do restaurante tem entrada (fria ou quente), prato principal e sobremesa (R$ 45), sempre com seis opções de principais, obedecendo à seguinte regra: uma carne vermelha, uma carne branca (porco ou ave), um peixe, um prato vegetariano, uma massa e um risoto.

Entre as sobremesas, o Pudim da Casa, com calda de goiabada, faz sucesso entre os frequentadores. “O doce é um chamariz do restaurante, já ficou famoso. Todo mundo adora e pede”, diz Trillo.

Serviço

104 Café. Praça Ruy Barbosa, 104, Centro. (31) 3222-6457. Almoço de segunda a sexta-feira, das 11h30 às 15h

Automóvel Clube. Av. Afonso Pena, 1.394, Centro. (31) 3222-5416. Almoço de segunda a sábado, das 12h às 16h

BM Design Café e Restaurante. Av. Afonso Pena, 2.881, Centro. (31) 3327-3372. Almoço de quarta a sexta-feira, das 12h às 15h

Café Cine Brasil. R. Carijós, 258, Centro. (31) 3243-4717. Almoço de segunda-feira a sábado, das 11h às 15h

Restaurante Escola do Senac. Rua Tupinambás, 1.038, 3º andar, Centro. (31) 3048-9211 Almoço de segunda a sexta-feira, das 12h às 14h30

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave