Brasil vence primeiro amistoso preparatório para o Mundial de basquete

Para um primeiro teste, a seleção se comportou bem, principalmente quando, em determinados momentos, a equipe limitou o fraco ataque angolano

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

Cinco anos depois, a seleção brasileira de basquete masculino retornou ao ginásio do Maracanãzinho. O público esteve longe do ideal. Centenas e centenas da lugares vazios. No entanto, assim como aconteceu em 2008, o selecionado verde e amarelo não teve muitos problemas para vencer Angola por 98 a 60, na abertura do Super Desafio BRA de basquete, torneio preparatório para o Mundial da Espanha, realizado no Rio de Janeiro. O cestinha da partida foi o angolano Milton Barros, com 13 pontos. Pelo lado brasileiro, o destaque foi Marcelinho Huertas, com 12 tentos e quatro assistências. 

Para um primeiro teste, a seleção se comportou bem, principalmente quando, em determinados momentos, a equipe limitou o fraco ataque africano. Apesar do ritmo moroso da partida, a defesa mostrou um pouco mais de consistência e o trabalho, o cuidado com a bola e a movimentação em busca de melhores opções foram situações cobradas pelo técnico argentino Rubén Magnano.

A seleção brasileira volta à quadra do Maracanãzinho no próximo sábado, às 10h (de Brasília), quando encara a Argentina, uma das principais rivais no Mundial.

O jogo

Era só um amistoso, mas o Brasil não estava nem aí para isto. Logo no primeiro minuto de jogo, a seleção abriu 9 a 0 no placar. Entre as jogadas, uma bela enterrada de Splitter. Os angolanos pediram tempo para tentar frear o ímpeto brasileiro. No entanto, a equipe comandada pelo técnico Rubén Magnano seguiu implacável, principalmente com bolas de três pontos de Alex, além de jogadas tramadas pela rápida transição defesa-ataque, uma das características do basquete brasileiro. Dominando as ações e apresentando uma defensiva consistente, o Brasil não teve muitos problemas para finalizar o primeiro quarto vencendo por 22 a 8.

No segundo período, Rubén Magnano deu bastante rotatividade ao quinteto brasileiro, promovendo trocas como a entrada do armador Rafael Luz, que se destacou no Sul-Americano da Venezuela. Angola chegou a equilibrar nas jogadas ofensivas, mas nada que assustasse os torcedores presentes no ginásio do Maracanãzinho. O Brasil foi para o intervalo com 48 a 27 no placar.

O terceiro quarto também foi marcado pela tranquilidade e a displicência dos jogadores brasileiros, nada mais do que habitual em um amistoso, ainda mais diante de um adversário que ofereceu pouquíssima resistência. Apesar disto, o Brasil mostrou que precisa se controlar em algumas jogadas ofensivas, além de acertar a marcação dos pivôs brasileiros no garrafão.

No último período, o nível técnico foi lá embaixo. Um fato curioso foi o pivô Nenê, que acabou ejetado do jogo após cometer a quinta falta.