Maioria dos argentinos culpa governo por calote, diz pesquisa

Na última quarta-feira (30) venceu um dos prazos da dívida da Argentina; Os credores não receberam seu dinheiro

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Twitter/Reprodução
undefined

 Um levantamento da consultoria Management & Fit aponta que, para 44,2% dos argentinos, o governo é o responsável pelo fato de os credores terem tomado um calote.

Em segundo, aparece a opção "todos os envolvidos", com 18,1%. Em terceiro é o juiz Thomas Griesa, com 17,6% das respostas. Os fundos que não aceitaram as trocas de títulos dos anos de 2005 e 2010 são responsabilizados por 9% dos respondentes. O resto afirma não saber.

A pesquisa ouviu 1.054 pessoas, por telefone e presencialmente, entre os dias 23 e 29 de julho --o calote, portanto, era só uma possibilidade. Na quarta (30) venceu um dos prazos da dívida da Argentina. Os credores não receberam seu dinheiro.

Por uma decisão do juiz Thomas Griesa o país só poderia honrar esse pagamento caso acertasse sua situação com um grupo de devedores cuja dívida Buenos Aires não reconhece: são detentores de títulos que estão em calote desde 2001.

O país os procurou em 2005 para voltar a pagar, mas por um valor menor. Eles não aceitaram e procuraram a Justiça. Um deles, o fundo NML, venceu o país na Corte dos EUA.

Ao anunciar que não chegou a um entendimento com o NML, o ministro da Economia, Axel Kicillof, afirmou que a culpa "está nas costas do juiz Thomas Griesa". Ele disse ainda que não há calote, pois a Argentina depositou o dinheiro.

Argentinos protestam contra fundos

Nesta quinta (31) pela manhã, o chefe do gabinete de Cristina Kirchner, Jorge Capitanich, disse "os credores devem exigir ao juiz o recebimento dos seus fundos que foram depositados pela Argentina".

A pesquisa também tentou apurar qual o grau de conhecimento que os argentinos têm da crise da dívida: 31,8% disseram não estar informados. Os que afirmaram estar inteirados são 50,6%. E 12,5% disseram estar muito bem informados sobre o caso. O restante não respondeu.

Segundo Mariel Fornoni, gerente da Management & Fit, uma nova pesquisa está sendo feita. "Acredito que os resultados vão ser muito parecidos", completou.