Atividade física muda a forma de ver o mundo

Estudo canadense usou simulação 3D de um ‘ser humano’ que seria ‘ameaça’

iG Minas Gerais | Da redação |

Mexendo o corpo. Pesquisa aponta os benefícios sociais da atividade física
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Mexendo o corpo. Pesquisa aponta os benefícios sociais da atividade física

Não é novidade dizer que a prática de atividades físicas leva a uma séries de benefícios à saúde, como prevenção de doenças do coração, câncer, além de ajudar o funcionamento do cérebro e pessoas que desejam perder ou manter o peso. Mas um novo estudo sugere que a atividade física pode mudar, literalmente, a forma como as pessoas veem o mundo, transformando o ambiente em menos “ameaçador” e mais positivo.  

De acordo com o site Huffington Post, a pesquisa realizada na Queen’s University, em Ontário, no Canadá, contou com a participação de 66 universitários que tiveram que completar um questionário sobre ansiedade e então deveriam se exercitar em uma esteira elétrica. Aleatoriamente, eles deveriam correr, andar, “trotar” ou ficar parados.

Em seguida, os participantes tiveram que completar uma tarefa que envolvia uma simulação 3D de uma figura humana. Eles deveriam adivinhar se essa “pessoa” estava indo na direção deles ou no sentido oposto.

As pessoas que caminharam ou “trotaram” por dez minutos perceberam com menos frequência a figura em direção a elas, ao contrário dos participantes que ficaram parados na esteira. O mesmo benefício ocorreu em atividades de relaxamento.

Pesquisas revelaram que pessoas que são socialmente ansiosas têm a tendência de entender a simulação com se estivesse caminhando em direção a elas – uma percepção de ameaça, segundo os pesquisadores.

Assim, a atividade física poderia ajudar as pessoas a encarar o ambiente em que estão como menos ameaçador.

“Isso é uma grande descoberta, porque ajuda a explicar porque técnicas de exercícios e relaxamento foram bem-sucedidas em tratamentos relacionados ao humor e à ansiedade no passado”, afirmou o coautor do estudo Adam Heenan.

Flash

Bike. Apenas 1,5% dos entrevistados em Belo Horizonte disseram ser adeptos do uso da bicicleta como atividade de lazer. “A estagnação do ciclismo nas capitais pode ser associada à escassez cada vez maior de áreas seguras para o uso da bicicleta”, explica Rafael Claro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave