Kalil volta atrás em possibilidade de dar fim ao Galo na Veia

Nesta quarta-feira, o mandatário mudou o discurso e pediu desculpas. No entanto, ratificou a bronca com alguns torcedores

iG Minas Gerais | THIAGO PRATA E FERNANDO ALMEIDA |

Kalil durante a coletiva de despedida de Ronaldinho Gaúcho
BRUNO CANTINI/ATLÉTICO
Kalil durante a coletiva de despedida de Ronaldinho Gaúcho

Após a conquista da Recopa Sul-Americana, o presidente do Atlético, Alexandre Kalil, cogitar acabar com o Galo na Veia. O motivo maior seria a insatisfação e as agressões verbais recebidas por alguns sócio-torcedores, insatisfeitos com o local destinado a eles no Mineirão, na partida decisiva ante o Lanús.

Nesta quarta-feira, porém, o mandatário mudou o discurso e pediu desculpas. No entanto, ratificou a bronca com alguns torcedores.

“Não dou o direito de dez ou 15 torcedores me agredirem. Não mereço, porque dediquei seis anos a esse clube com muito carinho. Sou humano, fui profundamente desrespeitado por nada. Peço desculpas aos outros 2.490 sócio-torcedores que precisamos deles, sim. Eu falei de maneira estabanada. Me desculpem”, declarou Kalil.

Contra o Lanús, muitos adeptos do Galo na Veia Black xingaram o presidente, porque não concordaram em ficar na parte que é destinada aos torcedores visitantes, de frente para uma das bandeiras de escanteio.

Leia tudo sobre: atléticogalokalilgalo na veia