Eduardo Campos promete fazer reforma tributária

Ele ressaltou que houve tentativa de implementar a reforma, que afeta a competitividade do país, durante os governos FHC e Lula, o que sequer foi tentado na gestão da presidente Dilma Rousseff

iG Minas Gerais | Juliana Gontijo |

PSB/Divulgação
undefined

* A repórter viajou a convite da Fiemg

Brasília - Início da reforma tributária já em 2015 foi uma das promessas de campanha do candidato à presidência da república Eduardo Campos (PSB) feitas aos empresários, na manhã desta quarta-feira (31),  na sede da Confederação Nacional Nacional da Indústria (CNI).  "Vou enviar a reforma na primeira semana ao Congresso Nacional", disse, com aplausos dos presentes.

Ele ressaltou que houve tentativa de implementar a reforma, que afeta a competitividade do país, durante os governos FHC e Lula, o que sequer foi tentado na gestão da presidente Dilma Rousseff. " Vamos priorizar votação no primeiro semestre de 2015 para que ela possa entrar em vigor por etapas", frisou.

Outra garantia que ele deu aos empresários é de não aumentar a carga tributária brasileira. "Serei o primeiro presidente a fazer isto. Todos os governos anteriores foram aumentando a carga tributária. Fui secretário da fazenda, sei que o sistema tributário é arcaico, uma verdadeira colcha de retalhos. É um sistema que mata a indústria", ressaltou.

O candidato ressaltou que em 1988, os tributos respondiam por 27% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e que atualmente está em 37% do PIB. " Foi a mágica que aconteceu", criticou.

Para ele, a reforma pode ser focada inicialmente pelo PIS, que é um tributo federal. "Outra questão é o ICMS que provoca a guerra fiscal entre os Estados e que  impacta na competitividade de muitos produtos", disse.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave