Aécio: “Estão fazendo o diabo”

Tucano responde declarações da presidente e diz que governo não gera credibilidade econômica

iG Minas Gerais |

Aécio Neves voltou a criticar a política econômica do governo federal
ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO
Aécio Neves voltou a criticar a política econômica do governo federal

Brasília. O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, acusou, nesta terça, a presidente Dilma Rousseff de tentar politizar a crise econômica do país. Aécio disse que Dilma, ao afirmar que a crise é fruto de especulações da disputa eleitoral, comprova que o governo perdeu a capacidade de inspirar credibilidade econômica. “Não adianta transformar análise técnica em política, como ela tentou fazer. O governo fracassou. Essa avaliação negativa está nos bancos, agências de risco, Fundo Monetário Internacional. Eu não sou o porta-voz dessas avaliações, elas são reais”, disse Aécio.  

Na segunda-feira, Dilma disse que o clima de pessimismo inadmissível antes da Copa também se estendeu à economia, em um jogo de especulação contra o país. Ela também classificou de lamentável o comunicado do banco Santander aos seus clientes mais ricos de que a sua reeleição poderia ter efeitos negativos sobre a economia.

Aécio disse que o governo não contestou a avaliação do banco, apenas agiu para que os responsáveis fossem demitidos. Ele ironizou membros do PT que acusaram o PSDB de estimular o comunicado do banco ao afirmar que a oposição não está infiltrada no Santander. Para o tucano, a resposta do governo para o episódio deveria ser apresentar sua agenda para a economia do país. “Eu sempre disse que esse é um governo que está à beira de um ataque de nervos. Hoje eu digo que o governo já está vivendo um ataque de nervos”, afirmou.

O tucano não quis responder se utilizou o aeroporto construído em Cláudio, em terreno de seu tio desapropriado pelo governo do Estado. Ele o disse que o tema não prejudica em nada sua campanha. “Eles diziam que iam fazer o diabo. Estão fazendo. Estou muito tranquilo, preparado para o embate onde ele se dê. Mas não vou cair na armadilha de desviar o meu foco”, disse o tucano.

Bolada. Seis dias após o autor do principal personagem satírico da presidente Dilma Rousseff na internet, Jeferson Monteiro, anunciar que havia retirado do ar no Facebook o perfil “Dilma Bolada”, a página na rede social voltou a ser atualizada nesta terça. Em mensagens publicadas no Facebook e no Twitter, o personagem afirmou que “após miniférias pós-Copa”, está de volta à web “pronta para continuar reinando absoluta nas redes sociais”.

O perfil satírico de Dilma na rede social havia saído do ar na última quarta-feira. No dia seguinte, Monteiro justificou que retirou do ar os perfis da “Dima Bolada” em razão da campanha. Ele, contudo, havia advertido que iria decidir posteriormente se continuaria ou não a manter os perfis nas redes sociais durante o período eleitoral.

Temer enquadra Skaff e obriga PMDB paulista apoiar o PT São Paulo. A campanha publicitária divulgada por Paulo Skaf, candidato do PMDB ao governo paulista, rechaçando a possibilidade de apoio à presidente Dilma Rousseff em São Paulo, provocou grande mal-estar no Palácio do Planalto e aborreceu bastante o vice-presidente Michel Temer. Presidente nacional do PMDB e padrinho da candidatura de Skaf ao governo, Temer ligou para Skaf assim que soube da campanha e avisou ao aliado: “O PMDB paulista estará com Dilma e comigo na campanha nacional”. A enquadrada de Temer em Skaf inclui uma reunião da comissão executiva estadual do partido, que deverá divulgar uma nota oficial confirmando a disposição do PMDB de São Paulo de abrir seu palanque para Dilma.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave