Seleção mostra otimismo para a disputa do Mundial de basquete

Na estreia do Mundial, o Brasil enfrenta a França, campeã europeia, e para Splitter, deve ser o primeiro grande desafio do time

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Marcelinho Huertas é um dos grandes nomes da seleção brasileira masculina de basquete
CBB/Divulgação
Marcelinho Huertas é um dos grandes nomes da seleção brasileira masculina de basquete

A seleção masculina de basquete está treinando em São Paulo, como parte da preparação para a disputa do Mundial da Espanha, marcado para começar dia 30 de agosto. Esbanjando otimismo e confiança para a competição, a equipe ainda fará dois amistosos antes de viajar: contra Angola, nesta quinta-feira, e Argentina, sábado, ambos no Maracanãzinho.

Com todos os jogadores à disposição, o treinador Rubén Magnano terá tempo para testar a equipe antes da competição. O título da NBA com o San Antonio Spurs deu ainda mais ânimo para Tiago Splitter, pivô da equipe brasileira e um dos principais jogadores do time. "Acho que é sempre bom ser campeão, a confiança sempre cresce. É bom chegar assim num torneio e a gente espera fazer um bom papel neste Mundial", afirmou.

Além dele, o Brasil tem quatro jogadores atuando fora do País. Nenê, Anderson Varejão e Leandrinho estiveram na última temporada da NBA, nos Estados Unidos, e Marcelinho Huertas, na Espanha. Essa experiência conta muito em competições internacionais. "O nível é muito parelho e todos os times têm jogadores na NBA hoje em dia. Mas claro que a experiência ajuda. Vamos com o time completo", disse Splitter.

Anderson Varejão será companheiro de LeBron James na próxima temporada do basquete norte-americano. Jogarão juntos no Cleveland Cavaliers. Mas antes de retornar aos Estados Unidos, o brasileiro planeja uma boa campanha com a seleção. "Esses amistosos (contra Angola e Argentina) são preparativos. Teremos duas semanas de treinos e serão jogos importantes. A equipe de Angola corre muito, vai exigir um preparo físico maior da gente. E a Argentina, já sabemos como eles jogam".

Na estreia do Mundial, o Brasil enfrenta a França, campeã europeia, e para Splitter, deve ser o primeiro grande desafio do time. "É um adversário com talento, qualidade e muitos jogadores na liga americana. Vai ser um time complicado". Nenê pondera. "Sabemos da nossa capacidade e buscaremos o título. Nós seremos nosso maior adversário. Temos de acreditar no grupo e no nosso potencial, independentemente do adversário. Se jogarmos 100%, será possível", diz.

O Brasil viaja para o Rio na manhã desta quarta-feira para os amistosos contra Angola e Argentina, e continua sua preparação para o Mundial. No Grupo A, a equipe enfrentará na primeira fase da competição, além da França, na estreia, as seleções de Irã, Espanha, Sérvia e Egito.