Rio/2016 eleva gastos para R$ 37,6 bi com novas obras

Presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), no entanto, afirma que não houve aumento, mas sim uma atualização de custos nas obras

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Rio de Janeiro teve o inglês Mike Lee como guru de marketing
Associated press - 30.10.2007
Rio de Janeiro teve o inglês Mike Lee como guru de marketing

Com novas obras licitadas no Complexo Esportivo de Deodoro, os custos com projetos relacionados às arenas para os Jogos Olímpicos de 2016 passaram de R$ 5,6 bilhões para R$ 6,5 bilhões. Essa diferença de R$ 900 milhões representa uma atualização da Matriz de Responsabilidade da Olimpíada, documento que enumera as obras fundamentais para a realização do evento.

Com isso, os gastos com os Jogos de 2016 já alcançaram R$ 37,6 bilhões. Os valores estão assim distribuídos: arenas, R$ 6,5 bilhões; legado, R$ 24,1 bilhões; e investimento do Comitê Organizador da Olimpíada, R$ 7 bilhões. O orçamento previsto na candidatura brasileira era de R$ 28,8 bilhões.

"Não se trata agora de um aumento de custos. Como houve a licitação de 11 intervenções em Deodoro, as cifras foram atualizadas”, disse, nesta terça-feira, no Rio, o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), general Fernando Azevedo e Silva.

Dos 52 projetos essenciais para a Olimpíada, 15 ainda estão sem custo e prazo de início de obras definidos. Quando houver a licitação, os valores do gasto total com os Jogos vão ser alterados. "Essa mudança se dá automaticamente quando a licitação é feita. Portanto, são custos previstos”, ressaltou o general.  

Leia tudo sobre: jogos olimpicosrioaumentagastobilhões