Técnico exalta 'orgulho' de bronze do Brasil no basquete

A terceira colocação veio depois da vitória sobre o Uruguai por 66 a 61, nessa segunda-feira

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

A seleção brasileira masculina de basquete entrou no Campeonato Sul-Americano, disputado em Isla Margarita, na Venezuela, como uma das favoritas ao lado de Argentina e Venezuela, mas teve que se contentar com o terceiro lugar. Com o resultado, a equipe ao menos ficou com uma vaga nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015, feito exaltado pelo técnico José Neto.

“Conseguimos jogar de igual contra os três principais adversários da competição e mostramos que tínhamos condições de ser campeão. Estou orgulhoso com o comprometimento desse grupo, jogadores e comissão técnica, que ao longo de toda nossa preparação sempre buscou fazer o melhor e defendeu as cores do Brasil”, declarou.

A terceira colocação veio depois da vitória sobre o Uruguai por 66 a 61, na última segunda-feira. O título ficou com os donos da casa, os venezuelanos, que derrotaram a seleção argentina por 74 a 65 e conquistaram o torneio pela segunda vez - a outra foi em 1991. Venezuela e Argentina, aliás, também estão classificadas para o próximo Pan.

Um dos destaques da vitória brasileira na segunda foi o pivô Rafael Hettsheimeir, autor de 14 pontos e dez rebotes. E ele também exaltou a campanha brasileira. “É claro que viemos em busca do título sul-americano, mas infelizmente não foi possível. Mas alcançamos dois dos nossos três objetivos: a vaga para o Pan e o Torneio Pré-Olímpico. Contra o Uruguai fizemos uma boa partida e sempre acreditamos na vitória”.

Para o armador Raulzinho, um dos melhores do Brasil no torneio, a boa defesa foi o principal mérito da equipe na partida. “Nos momentos que estivemos atrás do placar e não conseguimos encaixar nosso jogo, tivemos tranquilidade para buscar o melhor momento de arremessar. Mas nosso maior mérito foi a defesa, que soube neutralizar o ataque adversário. A equipe veio crescendo ao longo da preparação e ficamos fora da final por um ponto”, avaliou.

Leia tudo sobre: tecnicoorgulhobronzebrasilbasquetepan-americanosul-americano