“Netflix de livro” por US$ 9,99

O catálogo tem 600 mil livros, mas os consumidores sentirão falta de vários bestsellers: as cinco maiores editoras dos Estados Unidos

iG Minas Gerais |

Fire HDX é o Kindle top de linha
Fire HDX é o Kindle top de linha

RIO DE JANEIRO. A Amazon está habituada a lançar serviços destinados a destruir seu próprio negócio, e o Kindle é exemplo disso. Quando apresentou seu leitor de livros digitais, em 2007, a empresa de Jeff Bezos já faturava bilhões vendendo cópias em brochura e capa dura e sabia que os e-books iriam canibalizar parte considerável da receita. Porém, a companhia julgava que era melhor aniquilar seu modelo do que permitir que outra o fizesse.

Sete anos após se estabelecer como força hegemônica dos e-books, a Amazon volta a recorrer à destruição criativa, lançando um produto que pode tornar obsoleta a venda avulsa de livros digitais. O Kindle Unlimited estreou há pouco mais de uma semana e é uma espécie de Netflix dos livros. O usuário paga US$ 9,99 por mês e pode acessar quantos livros quiser. O preço chamou atenção, já que é comum um único exemplar de e-book custar mais que isso. Por enquanto, só está disponível nos Estados Unidos, mas qualquer cliente que se registre no site como norte-americano pode assiná-lo.

O catálogo tem 600 mil livros, mas os consumidores sentirão falta de vários bestsellers: as cinco maiores editoras dos Estados Unidos – que travam uma guerra contra a Amazon e já foram acusadas de formar cartel com a Apple para combatê-la – não aceitaram participar. “Será bom para as editoras se serviços de assinatura de e-books vingarem em todo o mundo. Mas será péssimo se a Amazon atingir uma posição quase monopolista, como já tem na venda de e-books”, afirma Dougal Thomson, diretor de comunicação da Associação Internacional dos Editores.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave