A expectativa antidilmista

iG Minas Gerais |

As rodadas mais recentes dos dois principais institutos de pesquisa trouxeram uma possibilidade interessante de leitura. A consulta para a eleição presidencial mostrou que a distância entre a presidente Dilma e Aécio, o segundo colocado, continua significativa, na casa dos 20 pontos. Em terceiro vem Eduardo Campos, com aproximadamente 10% das intenções. A curiosidade está nas simulações de segundo turno. Apesar da margem de folga da candidata à reeleição nas consultas relativas ao primeiro turno, nos confrontos diretos, Aécio ou mesmo Campos sobem muito mais do que a adversária: ela não chega a 50% enquanto qualquer um dos dois se aproxima dos 40%. Os números do Ibope e do Datafolha demonstrariam, assim, um forte fator anti-Dilma. As intenções de voto dadas aos demais concorrentes, diluídas no primeiro turno, parecem tender a concentrar-se no rival da petista nas hipóteses de segundo turno. É mais ou menos assim: “Voto em quem disputar com Dilma”. Essa leitura das pesquisas retrata um clima cada vez mais presente de que o governo vai mal. Estão vencendo os discursos de que a inflação está fora de controle (embora isso não seja verdade), que o país não cresce quanto deveria (o que é verdade) e que os serviços de saúde e educação são uma lástima (ainda que quem critica contrate ambos da rede privada). E essa faixa de sintonia de humor, que anda contagiosa, já favorece os adversários de Dilma. Mesmo assim, ela ainda é favorita. Tenhamos uma certeza, contudo: se uma nova vitória da presidente se confirmar, seu segundo mandato será entre espinhos e pedregulhos. O símbolo máximo dessa profecia é a carta do Santander endereçada a seus clientes mais abonados: o cenário de sucesso eleitoral da petista faz mal à economia. É notável o poder econômico das expectativas autorrealizáveis, e a história é farta de exemplos. Assim como o banco espanhol, entendem os entendidos que a equipe econômica de Dilma é incapaz de aproveitar as oportunidades de crescimento, que o governo dela gasta muito e mal e não controla (pior, alimenta) a inflação. Com isso, um novo mandato manteria o país numa iminência de estagnação com inflação (a famosa estagflação). Antevendo as agruras de um novo mandato, o agente econômico não investe, não contrata, não se endivida: a economia não cresce com boa parcela de culpa da autorrealização de expectativas. Segundos mandatos já tendem a ser piores do que os primeiros porque a saída do poder dentro de quatro anos tem um viés de desestímulo e porque o poder de novidade que propicia mudanças num primeiro governo não se repete. Imaginemos qual seria, então, a relação de Dilma com o Congresso num segundo governo. Todos os partidos aliados, inclusive o PMDB, venderam caro a fiança para uma nova adesão agora e saíram rachados. “Todo esse pacote de desesperança já não seria motivo para votar em outro?”, provocam os antidilmistas. Se quiser dobrar o mau humor endêmico e a força das expectativas autorrealizáveis, o trabalho dela e do PT deve começar já e tem o desafio de ir além da propaganda eleitoral.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave