Dirigente contém empolgação após 2º lugar da Ferrari na Hungria

Na avaliação do chefe de equipe, Marco Mattiacci, o resultado foi "encorajador" e não reflete o potencial do carro italiano

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Um dia após ver Fernando Alonso levar a Ferrari ao segundo posto no GP da Hungria, Marco Mattiacci tratou de conter a empolgação dentro da escuderia italiana. Na avaliação do chefe de equipe, o resultado foi "encorajador" e não reflete o potencial do carro italiano, ainda muito criticado dentro e fora do time.

"É encorajador mas ao mesmo tempo temos que analisar adequadamente esta segunda e sexta colocações", avaliou Mattiacci, sem se empolgar com os resultados obtidos por Alonso e Kimi Raikkonen, domingo, em Budapeste. "O potencial das outras equipes foi diluído por causa do mau tempo e pelas condições específicas da pista", relativizou.

O segundo lugar de Alonso foi o melhor resultado obtido pela Ferrari na atual temporada. O espanhol brilhou na pista, graças principalmente ao seu talento, ao ficar perto da vitória. Chegou a liderar a corrida nas voltas finais, mas perdeu a primeira posição para a Red Bull do australiano Daniel Ricciardo. Em compensação, segurou a poderosa Mercedes de Lewis Hamilton, mesmo com pneus desgastados.

"Foi motivador, mas temos que administrar cuidadosamente este entusiasmo. Ele não pode nos distrair na nossa trajetória. Não estamos aqui para terminar em segundo lugar", declarou, sem reconhecer o esforço dos seus pilotos - Raikkonen fez sua melhor corrida na volta à Ferrari. "Estou feliz pelo 'retorno' de Kimi, fez uma corrida fantástica. Assim como Fernando".

Mattiacci, contudo, não escondeu a preocupação com a sequência do campeonato. Ele lembrou que a Mercedes ainda é a grande equipe da temporada e que dificilmente a Ferrari conseguirá superá-la neste ano. "Estamos 1,2 segundo atrás dos líderes, o que significa meses ou até anos de trabalho pela frente", declarou.

Com o pódio de Alonso e a boa prova de Raikkonen, a Ferrari desbancou a Williams e retomou a terceira posição no Mundial de Construtores. Tem agora 142 pontos, contra 135 da equipe britânica.

Leia tudo sobre: fórmula 1ferraricompetiçãosegundo lugargp da hungria