Diretoria oficializa o que todo mundo já sabia: R10 está fora do Galo

Reunião na manhã desta segunda-feira, na casa do presidente Alexandre Kalil, decretou o fim do ciclo do craque no clube alvinegro

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Adeus? Ronaldinho saudou torcedores e companheiros de forma diferenciada na decisão da Recopa e deixou no ar sua possível saída
JOAO GODINHO / O TEMPO
Adeus? Ronaldinho saudou torcedores e companheiros de forma diferenciada na decisão da Recopa e deixou no ar sua possível saída

Como o blog Entrelistras, do SuperFC, deu em primeira mão, Ronaldinho Gaúcho deixou o Atlético. O anúncio oficial foi feito na tarde desta segunda-feira.Através de sua assessoria de imprensa, a diretoria comunicou que o acerto foi feito em uma reunião na casa do presidente Alexandre Kalil, envolvendo o mandatário e o empresário e irmão de R10, Roberto Assis.

O encontro sacramentou a rescisão do vínculo do atleta, que iria até o fim da temporada. Ronaldinho e Kalil concederão uma entrevista coletiva sobre o assunto na tarde desta quarta-feira, na Cidade do Galo.

Meteoro alvinegro

Apesar do primeiro semestre de 2014 apagado com a camisa 10 do Galo, Ronaldinho irá deixar saudades na Massa alvinegra. Em 2012 e 2013, R10 fez mágica com a camisa do Atlético e a bola nos pés, rendendo vitórias e títulos marcantes para a extensa galeria de troféus do clube.

O casamento começou em 4 de junho de 2012, quando R10 fazia seu primeiro treino na Cidade do Galo, antes mesmo de sua apresentação oficial, no mesmo dia. E na entrevista de estreia, mandou um recado para todo o Brasil, de que ele não estava acabado e que iria voltar a mostrar um futebol de alto nível. E não ficou só nas palavras. O que ele prometeu, ele cumpriu.

Em 2012, o meia-atacante foi o maestro alvinegro no vice-campeonato brasileiro. Dos pés do gênio, saíram jogadas colossais, como a arrancada a la Barcelona, que resultou num golaço – em seu primeiro clássico contra o Cruzeiro, que terminou em 2 a 2, no dia 26 de agosto daquele ano, no Independência.

Mas aquela não seria a única pintura de autoria do artista faria em 2012. Muitas vieram depois, como o épico gol contra o Figueirense, na goleada por 6 a 0, reproduzindo o que ele fez diante da Inglaterra, na Copa do Mundo de 2002. No fim da temporada, a Massa exigia a permanência do craque. Os gritos de 'fica, Ronaldinho' eram entoados em cada canto do Independência.

A glória maior

Kalil atendeu os pedidos e renovou com Ronaldinho por mais um ano. E que ano! Em 2013, o Atlético alcançou um feito inédito, de ser campeão da Copa Libertadores. E muito se deve ao monstro. O talento dele foi fundamental durante toda a competição.

Até as oitavas de final, contra o São Paulo, R10 deitou e rolou contra os oponentes. Das quartas de final até a decisão, houve uma queda de rendimento. Mesmo assim, a presença dele foi crucial. Ou algum atleticano já se esqueceu do cruzamento para Tardelli, no 2 a 2 ante o Tijuana-MEX, no jogo de ida das quartas de final, ou o passe primoroso a Bernard, no triunfo por 2 a 0 em cima do Newell's Old Boys-ARG, na partida de volta das semifinais?

Antes da segunda partida da final, contra o Olimpia-PAR, aliás, Ronaldinho deu um show de motivação ao elenco alvinegro. E dentro de campo, o que se viu não foram jogadores, foram leões sedentos pelo título da Libertadores. O camisa 10 nem precisou cobrar sua penalidade. Já estava comemorando a maior conquista da história do clube.

Fim do ciclo

Depois disso, ele não brilhou no Mundial e esteve longe de ser o craque de outrora em toda a temporada 2014. Um possível desentendimento com Levir Culpi teria influenciado em sua decisão de deixar o clube que ele defendeu com unhas e dentes, e que tinha como sua casa. Mas as memórias continuam. Tudo que ele fez pelo Atlético, e tudo que o Atlético fez por ele não serão esquecidos.

Após 88 partidas, 28 gols e três títulos – Mineiro e Libertadores, de 2013, e Recopa de 2014 –, o casamento acabou. No Independência, o gênio foi rei. No Horto, ele foi imbatível: 27 vitórias e 13 empates pelo Galo.

A Massa, sua família, sempre o terá como ídolo e irmão. Que o filho da Dona Miguelina, a guerreira que venceu a batalha contra o câncer e também recebeu o apoio da Massa, tenha sorte em sua nova empreitada. Um abraço, R10!

Leia tudo sobre: RonaldinhoAtleticoGalo