Padrasto que espancou menino de 3 anos até a morte é preso pela PM

Criança foi encontrada morta neste domingo (27) na casa em que morava com a mãe e o padrasto, na zona rural de São Sebastião da Bela Vista

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Criança foi encontrada já morta em cima de uma cama na casa em que morava, na zona rural do município
Reprodução/EPTV
Criança foi encontrada já morta em cima de uma cama na casa em que morava, na zona rural do município

A Polícia Militar (PM) de São Sebastião da Bela Vista, cidade localizada no Sul de Minas Gerais, prendeu no início da tarde desta segunda-feira (28) o padrasto do garoto de 3 anos que morreu após ser agredido várias vezes por ele. O caso foi registrado pela corporação neste domingo (27), na zona rural da cidade, onde fica a casa da mãe do garoto Carlos Alberto Neto. 

Segundo as informações repassadas pela PM da cidade, a corporação recebeu nesta segunda uma denúncia de que Alisson Fernando de Souza, de 23 anos, estava na casa do seu pai, que fica próxima à residência em que a criança foi encontrada morta. Questionado pelos policiais ao ser preso, o suspeito afirmou que havia trabalhado a noite toda e estaria cansado, tentando dormir, e não conseguia por conta do enteado que não parava de chorar. 

Com isso ele teria perdido a cabeça e agredido o menino várias vezes. O padrasto estava foragido desde o momento em que a morte da criança foi registrada. De acordo com a PM, após cometer a agressão o suspeito colocou a criança dentro do carro e foi até a cidade para buscar a sua mãe que havia chegado. 

A mulher teria percebido que o enteado do seu filho estava passando mal e com vários hematomas e, ainda assim, não denunciou as agressões. Somente mais tarde, após a mãe de Carlos Alberto ver a situação do garoto e começar a gritar desesperadamente, é que membros de uma igreja próxima foram chamados até casa e acionaram a polícia. 

Quando os militares chegaram na casa, o suspeito havia fugido, mas, antes, ainda teria dito "eu bati muito nele, não devia ter feito isso", conforme consta no Boletim de Ocorrência. O garoto foi encontrado já morto pela corporação e o seu corpo encaminhado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Pouso Alegre, cidade da mesma região.

Investigação

Apesar da fuga do padrasto, a mãe do menino foi levada à delegacia, prestou depoimento e foi liberada em seguida. A Polícia Civil informou que a mãe contou que estava em um relacionamento com o suspeito há algum tempo, sendo que moravam juntos há 10 meses. A criança foi morar na casa com a mãe há apenas 10 dias. 

A irmã da vítima afirmou que o padrasto era uma pessoa calma e que ela até o chamava de pai. Agora, o suspeito deverá ser ouvido pelo delegado delegado Mário Roberto Rodrigues Martins, que é o responsável pela investigação.