Médica de plantão nega atendimento à vítima socorrida por bombeiros

A médica foi detida na noite do último sábado (26), após discutir com bombeiros que transportavam uma paciente de 57 anos com parada cardíaca à unidade de saúde e negar atendimento

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A Polícia Civil, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal e a Corregedoria da SES/DF estão investigando um caso de omissão de socorro registrada contra a médica Luiza Virgínia Pimentel, plantonista do Hospital Regional de Ceilândia, no Distrito Federal.

A médica foi detida na noite do último sábado (26), após discutir com bombeiros que transportavam uma paciente de 57 anos com parada cardíaca à unidade de saúde e negar atendimento. A paciente morreu minutos após chegar ao local.

De acordo com testemunhas, a paciente chegou ao local por volta das 18h30 e ao ser encaminhada para a sala de emergência, a médica discutiu com os paramédicos alegando que a mulher deveria ter sido levada para o Hospital Base de Brasília, maior unidade do DF e apto a atender o caso. A profissional expulsou os bombeiros da sala de emergência e cerca de 20 minutos depois a paciente morreu.

O sargento Alan Lins deu voz de prisão à médica que foi conduzida a 23ª Delegacia de Polícia. Todos os envolvidos prestaram depoimentos e foram liberados após registro da ocorrência.

A profissional já responde processo na corregedoria da pasta por ter gritado com pacientes em um corredor, afirmando que estava sozinha e que não atenderia mais ninguém que chegasse à emergência. O caso aconteceu em abril deste ano.

A Polícia Civil tem 30 dias para investigar o ocorrido. Serão ouvidas as testemunhas e familiares da paciente durante este período. Luiza pode responder por omissão de socorro e homicídio culposo.