Obesidade na gravidez aumenta riscos para a gestante e o bebê

Diabetes gestacional e hipertensão estão entre os problemas para as mulheres

iG Minas Gerais | Jane E. Brody |

Em forma. O ideal é emagrecer antes de engravidar, mas não é aconselhável tentar emagrecer durante a gravidez
Picasa 2.0
Em forma. O ideal é emagrecer antes de engravidar, mas não é aconselhável tentar emagrecer durante a gravidez

Nova York, EUA. A gravidez, ou o desejo de engravidar, quase sempre motiva mulheres a se cuidarem mais: elas param de fumar, por exemplo, ou comem alimentos mais nutritivos. Mas muitas vêm se deparando com uma questão cada vez mais comum: a obesidade, que afeta 36% das que estão em idade fértil nos Estados Unidos. No Brasil, 47,4% das mulheres têm sobrepeso e 18% são obesas.

Além de impossibilitar a concepção, o problema – que define aquelas cujo Índice de Massa Corporal (IMC) ultrapassa 30 – está ligado a uma série de dificuldades durante a gravidez, o parto e o nascimento em si. Entre elas está o diabetes gestacional, a hipertensão, a pré-eclâmpsia e até o aborto espontâneo, cesariana de emergência, parto prematuro e de natimorto.

Os filhos de obesas têm mais probabilidades de ter defeitos congênitos e correm maiores riscos de morrer durante o nascimento ou logo depois dele – e os que sobrevivem têm grandes chances de desenvolver hipertensão e obesidade na idade adulta.

A maior parte dos bebês nascidos de mães acima do peso é saudável; entretanto, uma análise recém-publicada de 38 estudos descobriu que mesmo um aumento discreto de peso na fase pré-gravidez aumenta os riscos de morte do feto ou da criança depois de nascida.

Mais magra. Mulheres obesas que querem ter filhos não devem abandonar as tentativas de emagrecer. O ideal é emagrecer antes de engravidar. Uma obesa que engravida deve engordar menos do que uma mulher normal durante a gestação. O Instituto de Medicina dos Estados Unidos sugere que os valores fiquem entre 6 kg e 11 kg para mulheres com sobrepeso e de 5 kg a 9 kg para as obesas.

Embora nenhuma mulher deva tentar emagrecer durante a gravidez, a médica Sigal Klipstein, presidente do comitê de ética do Colégio Norte-Americano de Obstetrícia e Ginecologia, sugere que uma mulher de 135 kg, por exemplo, mantenha esse peso durante todo o período, sem que isso seja prejudicial ao feto.

A obesidade pode causar mudanças psicológicas que afetam negativamente a gravidez, começando com uma ovulação irregular que pode resultar em infertilidade.

Cesariana. As obesas têm mais chances de enfrentar problemas para processar o açúcar no sangue, o que eleva as chances de defeitos congênitos e aborto espontâneo. Há também a probabilidade de que o bebê seja grande demais para o parto normal, exigindo uma cesariana – que, por sua vez, também oferece riscos em termos de anestesia e cirurgia.

Os bebês de mulheres obesas têm mais probabilidades de desenvolver defeitos no tubo neural, como espinha bífida e anencefalia, e sofrer lesões no nascimento, como distócia de ombro, que pode ocorrer por causa do tamanho.

Flash

Sem culpa. Os obstetras devem discutir os riscos associados ao excesso de peso com as pacientes e “evitar culpá-las pelo problema”, afirma o comitê de ética do Colégio Norte-Americano de Obstetrícia e Ginecologia.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave