Trilogia mira o contexto e a vida do homem comum

iG Minas Gerais | Carlos Andrei Siquara |


Frederico Machado diz que terceiro longa já tem roteiro definido
Acervo pessoal
Frederico Machado diz que terceiro longa já tem roteiro definido

Assim que decidiu rodar “O Exercício do Caos”, lançado em 2013, chamando atenção da crítica, Frederido Machado diz ter imaginado uma trilogia. O segundo título, “O Signo das Tetas”, inclusive, já foi gravado e agora é alvo de uma campanha no site Catarse para arrecadar recursos a serem utilizados na finalização do filme. De acordo com o criador da produtora e distribuidora Lume Filmes, o roteiro da terceira produção está pronto e deverá se chamar “As Órbitas das Águas”.

“O último é o único que teve roteiro todo decupado anteriormente. Todos os outros sofreram muitas modificações durante o momento da filmagem. Eu fiz um laboratório com os atores que interferiu nessas decisões. Mas nos dois primeiros a proposta inicial era bem aberta e isso tem a ver também com o meu gosto por esse cinema em que o espectador é convidado a participar complementando a obra”, explica Machado.

Em comum, os três longa-metragens, de acordo com ele, enquadram a realidade das pessoas que convivem em determinadas regiões do Maranhão, especialmente as rurais ou ribeirinhas. Interessa ao cineasta o cotidiano, o comportamento e o fundo psicológico refletido nas ações das personagens.

“Há em cada um deles uma semelhança em relação ao temas que aparecem conectados, como o sexo, a religião, a questão da incomunicabilidade entre os personagens que habitam regiões muito carentes. Eu percebo um questionamento existencial que unifica também essas histórias, ou seja, há uma investigação da psiquë dessas pessoas que me atrai, além dos aspectos sociais e políticos”, sintetiza o diretor.

Se em “O Exercício do Caos” ele mira o dia a dia de uma família composta por três irmãs, no interior do Maranhão, retratando um ambiente permeado por uma atmosfera de mistério, a exemplo do fantasma da mãe das meninas, em “O Signo das Tetas”, o foco é um único homem. Vivido por Lauande Aires, que tem uma carreira de cerca de três décadas ligada ao teatro maranhense, o personagem, motivado por um sonho, sai em busca de compreender o quebra-cabeças que é o seu próprio passado.

“Aos poucos ele vai recuperando a sua identidade, ao reencontrar a mãe e o pai durante essa viagem, revelando uma espécie de redescoberta de si mesmo”, observa Machado. Ele acrescenta que “As Órbitas das Águas” vai retratar a rotina de uma vila de pescadores.

A trilogia é inspirada nos livros do poeta Nauro Machado, ator em “O Signo das Tetas” e pai do diretor. Embora tenha mais de 30 obras publicadas, Nauro ainda é pouco conhecido fora do Maranhão e para Machado essas três narrativas cinematográficas, de alguma forma, servem como uma maneira de permitir leituras e acesso aos escritos dele.

“Não só porque ele é o meu pai, mas é um poeta extremamente talentoso. Já conquistou alguns prêmios, mas resolveu ficar no Maranhão ao invés de sair daqui. Sua poesia é muito intensa, bastante reflexiva, e são elas que traçam o fio dessas histórias”, afirma.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave