Do positivo para o negativo

iG Minas Gerais |

Se o comércio não vai bem, a indústria vai ainda pior. A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) também está revendo as projeções para 2014, segundo o seu economista-chefe, Guilherme Veloso Leão. “Ainda estamos fechando os números. Os dados oficiais devem ser divulgados em agosto. Só que dá para adiantar que eles serão revistos para baixo”, observa. De acordo com ele, no começo do ano, a previsão era de alta de 2,5% na produção industrial de Minas Gerais. “Agora, a perspectiva é que o dado seja negativo”, diz.

Em julho do ano passado, a pesquisa Focus, feita pelo Banco Central com analistas de mercado, apontava que a produção industrial nacional teria um crescimento de 3% em 2014. Em janeiro deste ano, a projeção foi revisada para um aumento de 2,2%. Na última semana, a estimativa já caiu para uma retração de 1,15%. E, para 2015, a previsão, que em janeiro era de crescer 2,89%, agora caiu para 1,7%.

Até maio deste ano, o faturamento do setor em Minas Gerais acumula perdas de 5,29%. Em maio frente abril, a queda foi de 0,61%, segundo a Fiemg.

Para o próximo ano, o economista da entidade não aposta em crescimento vigoroso. “Teremos que continuar convivendo com custos altos, que retiram a competitividade da indústria. O fato é que o Brasil é um país caro para se produzir, e que ainda enfrenta a concorrência externa. Além disso, a inflação está alta, o que reduz o poder de compra do consumidor final”, diz. (JG/QA)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave