Gala à brasileira

Entenda o rebu (com o perdão do trocadilho) por trás do figurino da nova novela das 11 da TV Globo

iG Minas Gerais | Deborah Couto |

O longo bordado de Duda é assinado pela grife Martu
TV Globo/Arquivo
O longo bordado de Duda é assinado pela grife Martu

Não, a festa do ano não foi depois do Oscar, nem do Globo de Ouro. Ela começou na último dia 14 na TV. Pelo menos é o que tem dito quem assiste a “O Rebu”, novela das onze da TV Globo, remake da versão de 1974. Mais do que o enredo, o folhetim tem causado furor mesmo é pelo figurino. É que boa parte da trama se passa em uma festa de gala (há ainda cenas da investigação e flashbacks). Mas não daqueles bailes cheios de famosos e flashes. Esse, o da novela, é povoado de gente fina e elegante. Ricos que já nasceram com o garbo no sangue, sabe? 

Pois foi esse tipo de luxo que a dupla de figurinistas Natalia Duran e Cao Albuquerque perseguiu. Em matéria escrita para a revista “Serafina”, a dupla define o figurino como “uma espécie de 'black-tie' brasileiro, em que muitas roupas são feitas na costureira e não compradas na vitrine de uma loja - não importa se de alta-costura ou prêt-à-porter”. De acordo com eles, nenhum personagem que use sapato de grife internacional veste colar, brinco e vestido da mesma marca. Não há coleções completas. “Criamos um guarda-roupa de gente fina e brasileira. Sem a cafonice dos peitos de silicone e dos rostos plastificados”, descrevem.

Segundo Natália, um dos focos do figurino foi o brilho. “É muito difícil fazer uma festa que não tenha modelos bordados e reluzentes. Afinal, é disso que estamos falando: uma festa. Escolhemos dourados e pratas para transmitir um ambiente festivo e de luxo”, explicou ela ao jornal “O Dia”.

Fenômeno Duda

Interpretada pela atriz Sophie Charlotte, Duda é a filha adotiva de Ângela (Patrícia Pilar). Para o papel, Sophie teve de cortar o cabelo bem curtinho, inspirado pela atriz Jean Seberg em “Acossado” (1960). A mudança foi feita em duas etapas por seu próprio pai (cabeleireiro do salão Esmell, no Leblon) e supervisionada por José Luiz Villamarim, diretor da novela. O cabelo “joãozinho” imprimiu força ao visual da atriz e, de acordo com Natália Duran, o objetivo era esse mesmo. “Vestimos a Sophie como uma moça de personalidade”, diz. Já no primeiro capítulo, Duda causou um furor maior que a Carminha de Adriana Esteves. Os vestidos de festa, o batom e o tal cabelo, tudo que a linda Sophie veste desperta interesse no público.

Os figurinos de festa são três – um vestido de tule curto, um longo de tule bordado e uma saia vermelha com top também em tule bordado. Duas das peças são feitas por grifes mineiras. A Mabel Magalhães assina o curtinho branco. “Figurinista e assistentes vieram até nossa loja em BH já com o briefing das personagens e compraram as peças”, diz Débora Magalhães, marketing da marca. “Acreditamos que entrarão no decorrer da novela outros looks da Mabel...”, afirma. Já a saia longa vermelha é de Patrícia Nascimento, que assina as produções da sertaneja Paula Fernandes.

O longo de tule bordado, usado na entrada principal da atriz, leva a assinatura da marca carioca Martu. A peça, frequentemente presente nas coleções da grife, foi encomendada em dourado especialmente para a novela. A marca revela que a confecção levou 15 dias, já que o bordado é todo feito à mão. Se você pensa, no entanto, que não tem aonde ir com tanta roupa chique, Natália discorda. “Qualquer festa noturna, que aconteça depois das 20h, comporta vestidos como os da Duda”, diz.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave