A dupla vida de um apaixonado por voar

Além de maior vencedor da Air Race, Paul Bonhomme é piloto comercial da compania aérea British Airlines

iG Minas Gerais | Igor Veiga |

Avião de Paul Bonhomme rasga o céu da praia na cidade de Gdynia, na Polônia
Jörg Mitter/Red Bull Content Pool
Avião de Paul Bonhomme rasga o céu da praia na cidade de Gdynia, na Polônia

Gdynia, Polônia. Maior vencedor da história da Air Race, o britânico Paul Bonhomme coleciona recordes e mais recordes na competição. Além de ser o único bicampeão mundial (2009 e 2010), é o vice-líder da atual temporada. Longe da adrenalina e da competição promovida pela Red Bull, Bonhomme ganha a vida como piloto comercial da companhia aérea British Airlines.

O inglês de 49 anos conta que não é fácil conciliar suas diferentes paixões pelos aviões. “Comecei desde muito novo a fazer pilotagem acrobática, desde que comecei a voar sempre levei essa vida paralela de ser piloto comercial e também acrobático. Então, nunca fiz uma escolha, sempre fiz as duas coisas ao mesmo tempo”, diz Bonhomme. Antes de chegar a Air Race, o britânico participava de algumas outras competições de acrobacia na China, no Japão, e em vários lugares onde surgiam oportunidade. Em 2003 acabou convidado pela Red Bull a participar da Air Race.  Depois do bicampeonato em 2009 e 2010, ele resolveu descansar um pouco e voltou a competir a partir deste ano. “Parei um pouco para descansar, curtir minha família, mas voar é a minha paixão. Amo voar, o resto é apenas trabalho”.

Força G. Bonhomme garante que encarar o desafio (e o peso extra no corpo), por conta da força G durante as manobras mais audaciosas na Air Race, é apenas uma questão de costume. “Leva um longo tempo para você se acostumar com a força G elevada, no nosso caso, até 10 G. Mas depois que você adquire essa condição se torna algo normal para os pilotos. Bem-humorado, o britânico ainda brinca ao falar sobre qual seria o maior desafio da competição. “O mais difícil é conseguir voar devagar. É impossível, é uma competição de velocidade, então você tem que acelerar para vencer”. Segundo Bonhomme, a vida de piloto da Air Race não lhe exige nenhuma preparação física especial. “Levo uma vida normal, com exercícios normais como andar de bicicleta. Não sou de fazer corrida com frequência porque acho terrivelmente chato, gosto mais de bike mesmo, é mais divertido. Você só precisa se manter em forma”, disse.

Liberdade. Sobre a comum comparação da Air Race com a Fórmula 1, Bonhomme considera que a principal diferença não está só no fato da corrida aérea ser uma competição só contra o relógio, mas sim na liberdade de escolha do piloto. “No ar, você não tem rota. Um único caminho. Nossas referências são os cones que estão lá apenas, mas é você que escolhe como será a melhor forma passar entre eles e no menor tempo possível. Fazemos as curvas no vazio e as distâncias são muito curtas entre um ponto e outro, e é isso que torna tudo mais excitante tanto para o público quanto para a gente lá em cima”, avalia o bicampeão da Air Race.

Números de Bonhomme 14 vitórias soma o único bicampeão da competição aérea. 38 pódios acumula o britânico sete temporadas da Air Race. 53 provas já disputou o inglês desde que a corrida foi criada em 2003. 2 vezes foi vice-campeão (em 2007 e 2008).

Leia tudo sobre: air raceaviaopaul Bonhomme