Campanha avalia ir à Justiça

Segundo o presidente do PT, o Santander informou que 40 mil pessoas receberam o texto

iG Minas Gerais |

Brasília. O comando da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) avalia mover uma ação judicial contra o banco Santander, que enviou nota aos clientes sobre o risco de deterioração da economia brasileira em caso de reeleição da presidente. Integrantes do comitê petista dizem que a retratação pública feita pelo banco espanhol, após o caso vir à tona, aliviou a situação, mas só na segunda-feira será batido o martelo sobre se foi suficiente ou se o PT vai entrar com a ação na Justiça contra o Santander.  

O site Muda Mais, de apoio à campanha de Dilma, classificou o episódio como “terrorismo eleitoral”. No Rio, o presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que o banco pediu desculpas formais ao Planalto e que foram feitas demissões na instituição. “A informação que deram é que estão demitindo todo o setor que foi responsável pela produção do texto. Inclusive gente de cima. E estão procurando uma maneira de resgatar o que fizeram”, disse Falcão.

Segundo o presidente do PT, o Santander informou que 40 mil pessoas receberam o texto. Ele disse que o comunicado prejudica a campanha de Dilma e comparou a iniciativa a críticas de economistas em 2002 à eleição de Lula. “Já vimos esse filme no passado. Eles criaram o Lulômetro para medir como a bolsa oscilava. Agora mesmo a Bolsa sobe e desce, e deve estar beneficiando quem não está interessado no resultado eleitoral, mas em ganhar dinheiro com ação”, disse.

Falcão afirmou que aceita as desculpas do banco. “Aceito, mas isso não elide o que aconteceu. Isso é proibido. Instituições bancárias ou financeiras não podem fazer manifestações que interfiram na decisão do voto”, concluiu.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave