Levir elogia volantes, mas admite falhas no toque de bola

Treinador reconhece que duple Pierre e Leandro Donizete não conseguem sair jogando e ressalta necessidade de equilibrar ataque e defesa

iG Minas Gerais | FERNANDO ALMEIDA |

Pierre e Donizete estão sofrendo para ligar o setor defensivo com o ataque alvinegro
BRUNO CANTINI/ATLÉTICO
Pierre e Donizete estão sofrendo para ligar o setor defensivo com o ataque alvinegro

Aos poucos, o técnico Levir Culpi vai colocando a sua filosofia de jogo em prática no Atlético. Contudo, o comandante segue com dificuldades para manter a posse de bola com qualidade no setor ofensivo para construir jogadas de ataque mais incisivas e depender menos da sorte para chegar ao gol adversário. Contudo, uma das questões levantadas pela torcida atleticana e pela imprensa é a falta de uma ligação entre defesa e ataque, fato que acaba recaindo sobre a dupla de volantes. Levir admite que há falhas nesta transição, algo que deve ser aprimorado, mas não deixa de ressaltar a importância defensiva que Pierre e Leandro Donizete somam, principalmente diante de um sistema com quatro jogadores muito ofensivos, como é o caso de Maicosuel, Ronaldinho, Tardelli e Jô. “Eles (volantes) não têm uma facilidade para sair jogando. Mas ninguém tem a pegada que eles têm. Isso compensa, a marcação”, disse Levir, ponderando na sequência sobre a marcação. “Maicosuel, Ronaldo, Jô e Tardelli; são quatro atacantes; então a conta não fecha. Precisamos consertar isso, precisamos fechar os espaços. Isso é uma coisa que temos de melhorar essa participação do sistema ofensivo, com o defensivo. Precisamos equilibrar isso”, completou o treinador. E Levir mostra que, pelo menos por enquanto, tenta mudar somente a maneira de pensar de seus jogadores, já que, contra o Sport, neste domingo, o sistema tática permanece o 4-2-3-1.

Leia tudo sobre: atleticogaloleandro donizetepierrevolantestecnicolevir culpi