Pista de terra pode ter sido financiada pelo Estado

Ministério Público investiga construção feita em 1983, sem licitação ou desapropriação da área

iG Minas Gerais | Da redação |

Aeroporto de Cláudio foi construído em fazenda de tio de Aécio
ALEX DE JESUS/O TEMPO
Aeroporto de Cláudio foi construído em fazenda de tio de Aécio

A construção do aeródromo de Cláudio, em terreno que foi de parentes do presidenciável Aécio Neves (PSDB), já vem sendo questionada pelo Ministério Público de Minas Gerais desde 2001. Segundo o MP, a primeira versão da obra, que resultou numa pista de chão batido, foi feita com dinheiro público nas terras particulares de Múcio Tolentino, tio de Aécio, sem que houvesse desapropriação ou licitação para escolha do local.

A pista de terra foi feita em 1983, quando o ex-presidente Tancredo Neves governou Minas Gerais. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Nessa época, Tolentino era prefeito de Cláudio e dono do terreno, o mesmo que foi desapropriado em 2008, no segundo mandato de Aécio, e que voltou a ser alvo de investigação do MP. Tolentino figura como réu em ação civil pública de improbidade administrativa acusado de ter se beneficiado de verbas públicas para fins particulares.

Um convênio do extinto Banco Bemge com a Prefeitura de Cláudio possibilitou a transferência das verbas públicas. Não houve licitação para escolher o terreno. Como Tancredo morreu antes da ação, proposta pelo promotor de Justiça Thales Tácito, na época da comarca de Cláudio, nenhum agente público do Estado foi responsabilizado. Nessa quarta, a juíza Marcilene da Conceição Miranda, da comarca local, determinou a intimação de peritos.

Na ação, o MP pediu o bloqueio de bens de Múcio, a quebra de sigilo bancário e a condenação do ex-prefeito por improbidade, além do ressarcimento de danos. Segundo o Tribunal de Justiça de Minas, a maior parte das acusações já prescreveu. A exceção é a reparação de danos ao erário.

Verbal

Acordo. O MP relatou ainda que, ao prestar depoimento sobre o caso, Múcio disse que tinha um “acordo verbal” com Tancredo para que a área do aeroporto fosse posteriormente desapropriada.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave