Ford Ka cresce e se reformula por completo

Hatch ganha geração inteiramente nova, com plataforma do New Fiesta e novíssimo motor 1.0 de três cilindros

iG Minas Gerais | Alexandre Carneiro |

Novo Ford Ka Fotos: Ford/Divulgação
Ford/Divulgação
Novo Ford Ka Fotos: Ford/Divulgação

Esqueça tudo que você sabia sobre o Ford Ka. O hatch chega à linha 2015 totalmente renovado, e não pense que as mudanças são apenas cosméticas ou superficiais: trata-se de um carro inteiramente novo, projetado do zero, inclusive na parte mecânica.

A primeira mudança diz respeito ao tamanho. O modelo cresceu em todas as dimensões: ficou mais comprido (atingindo 3,89 m), mais largo (1,69 m) e, principalmente, mais alto (1,52 m). A grande distância entre eixos (de 2,49 m) evidencia os ganhos nas medidas internas. Mais espaçoso, principalmente no banco traseiro, o modelo comporta quatro adultos com conforto. Com cinco a bordo, não há muita folga, mas nem assim a atmosfera será de aperto. Por fim, o novo Ka será oferecido apenas com carroceria de quatro portas. Até agora, ele sempre havia sido comercializado unicamente com duas portas.

O motor é inédito no Brasil. Seguindo a tendência iniciada por Hyundai HB20 e Volkswagen up!, o 1.0 do novo Ka tem apenas três cilindros. O cabeçote, de 12 válvulas, porém, traz comandos variáveis também nas de escape, além de nas de admissão. A correia dentada é imersa em óleo e, segundo o fabricante, não necessita de substituição, pois a durabilidade é semelhante à do próprio propulsor. Por fim, o sistema flex eletrônico dispensa o tanquinho de partida a frio.

O resultado de tanta tecnologia é o 1.0 aspirado mais potente do mercado nacional, com 85 cv entre 6.300 e 6.500 rpm e 10,7 kgfm de torque a 4.500 rpm, com etanol. Abastecido com gasolina, os valores são de 80 cv de 6.300 rpm a 6.500 rpm e 10,2 kgfm a 3.500 rpm. O câmbio é sempre manual de cinco marchas. A Ford afirma que não tem planos de equipar o Ka com a transmissão automatizada de dupla embreagem Powershift. Futuramente, porém, ainda em data indefinida, o hatch terá a opção de motor 1.5 16V.

Duas versões

O Carro&Cia teve a oportunidade de dirigir o novo Ka em um percurso de cerca de 40 km. As primeiras impressões foram positivas: ele fez jus à potência e ao torque do propulsor, com acelerações e retomadas de velocidade boas para um hatch 1.0. A suspensão, com acerto mais rígido, proporcionou muita estabilidade em curvas, mas transmitiu as imperfeições do piso ao habitáculo em um breve trecho de calçamento. O câmbio também agradou, com engates macios e precisos. A relação das marchas é mais longa que o habitual em veículos de baixa cilindrada, o que traz o benefício de baixar as rotações do motor em alta velocidade: a 100 km/h, o tacômetro registra 3.350 rpm.

O acabamento, apesar de simples, apresenta bom resultado para um veículo popular. O interior é revestido com plásticos rígidos, mas com diferentes texturas e cores. Nem tudo, porém, é perfeito, pois, na unidade avaliada, foi possível notar desalinhamento entre algumas peças. O maior problema, entretanto, fica por conta da ausência de equipamentos de segurança no banco traseiro: não há encosto de cabeça nem cinto de três pontos para o quinto ocupante, tampouco ganchos padrão Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

Equipamentos

O novo Ka chega ao mercado em duas versões. A de entrada, SE, custa R$ 35.390 e já traz muitos equipamentos, incluindo direção com assistência elétrica, ar-condicionado, vidros dianteiros elétricos, travas elétricas, chave do tipo canivete, limpador e desembaçador traseiro, sistema de som com bluetooth e entrada USB e sistema multimídia My Ford Doc, além dos obrigatórios airbags frontais e freios ABS. Opcionalmente, é possível adquirir o pacote Plus, que eleva o preço para R$ 37.390 e inclui vidros elétricos também na traseira e o sistema multimídia Sync, que traz mais funções, incluindo comandos por voz. Por fim, o top de linha SEL sai por R$ 39.990, com todos os itens citados, e ainda traz rodas de liga leve de aro 15 (as configurações anteriores vêm com um conjunto de aço de 14 polegadas, com calotas), faróis de neblina, alarme, computador de bordo, assistente de partida em rampa e controle eletrônico de estabilidade, sendo os dois últimos exclusividades da Ford no segmento.

As concessionárias receberão as primeiras unidades do hatch em agosto, mas o abastecimento só atingirá o nível pleno em setembro. Em outubro, chegará outra novidade: a versão sedã do modelo, que pela primeira vez integrará a linha Ka, mas que ainda não teve dados técnicos revelados pela Ford.

Consumo

O novo Kajá foi submetido aos testes de consumo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). E se deu bem, alcançando o título de carro a combustão com ar-condicionado e direção assistida mais econômico do país, com médias de 8,9 km/l com etanol e 13 km/l com gasolina, em percursos urbanos, e de 10,4 km/l e 15,1 km/l em trechos rodoviários, com os mesmos combustíveis, na ordem.

Aproveitamento

O habitáculo da nova geração do hatch traz 21 porta-objetos. O porta-malas, porém, é menor que o de alguns concorrentes diretos, com 257 l de capacidade. O volante é regulável em altura, e não em profundidade, em todas as versões, mas o ajuste em altura do banco do motorista só é oferecido no top SEL. A garantia de fábrica é de três anos, e a Ford aboliu as revisões semestrais em prol de intervalos anuais.

O jornalista viajou a convite da Ford

Leia tudo sobre: FordKanova geraçãocompactotrês cilindroslançamento