Prefeitura analisará qualidade do ar

Informações serão disponibilizadas diariamente a partir de agosto

iG Minas Gerais | Camila Bastos |

Estação (estrutura branca) foi apresentada ontem pelo vice-prefeito
Uarlen Valério
Estação (estrutura branca) foi apresentada ontem pelo vice-prefeito

A qualidade do ar de Belo Horizonte passará a ser analisada diariamente por duas estações de monitoramento da prefeitura. Os resultados serão disponibilizados no site do Executivo a partir de agosto e todos os dias. Os índices serão utilizados para a elaboração de projetos de saúde pública, dentre outros. No período de teste, de janeiro até este mês, foi possível perceber que a classificação varia entre boa e razoável, conforme os padrões do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama).

“Sabemos que há uma relação direta entre a qualidade do ar e o número de internações por doenças respiratórias, principalmente de crianças”, disse nesta quinta o vice-prefeito e secretário municipal de Meio Ambiente, Délio Malheiros, durante apresentação da estação localizada na região Leste da cidade. A outra estação fica na avenida Raja Gabáglia, na Centro-Sul. Segundo ele, será feita uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde para analisar a influência da poluição atmosférica na saúde pública. A partir disso serão estudadas novas políticas públicas. Os aparelhos medidores estão com a prefeitura desde 2011, mas foram utilizados apenas por alguns meses naquela época, devido à manutenção inadequada. Segundo o gerente de Sistema de Informações Ambientais da pasta, Cyleno Guimarães, a tecnologia empregada nas estações vem sendo atualizada desde janeiro deste ano. Testes e ajustes também ocorreram nesse período até que o volume de dados fosse adequado para possibilitar o monitoramento diário. Malheiros disse ainda que hoje o maior responsável pela liberação de gases poluentes em Belo Horizonte é o transporte, e que a prefeitura estuda maneiras de diminui-la, como, por exemplo, incentivando o transporte público. Outros setores muito poluidores são a gestão dos resíduos sólidos e a iluminação pública. “Está em estudo um projeto de que toda a iluminação pública seja de led”, disse Malheiros. Ainda não há previsão de lançamento deste edital, que terá orçamento de cerca de R$ 300 milhões e será uma Parceria Público-Privada. Rede. Três estações de monitoramento estão em operação na capital e são gerenciadas pelo governo do Estado. Conforme Guimarães, a intenção é integrar as informações para formar uma rede de controle. Segundo o Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema), são 28 pontos de controle da qualidade do ar em 11 municípios mineiros.

Saiba mais Substâncias.Dióxido de enxofre, monóxido de carbono, ozônio e dióxido de nitrogênio foram usados como indicadores da poluição atmosférica. Indicador. A qualidade do ar é classificada pelo Conama como: boa, regular, inadequada, má, péssima e crítica. Funcionamento. Um condensador “puxa” o ar para vários analisadores dentro da estação. Os dados são transmitidos a cada hora para o centro de supervisões, onde uma equipe técnica valida os dados.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave